Mebendazol + TiabendazolBula do Princípio Ativo

Mebendazol + Tiabendazol - Para que serve?

Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) tem ação antiparasitária.

Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) está indicados para o tratamento das infestações causadas pelos seguintes micro-organismos:

Mebendazol + Tiabendazol: Contraindicação de uso

Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) está contraindicado para mulheres grávidas ou em fase de lactação, e para pacientes com hipersensibilidade a quaisquer dos componentes da fórmula.

Mebendazol + Tiabendazol: Posologia e como usar

A critério médico.

5mL, 2 vezes ao dia durante 3 dias.

Mebendazol + Tiabendazol - Reações Adversas

Os eventos adversos do mebendazol e do tiabendazol são apresentados em ordem de frequência decrescente a seguir:

Em casos de eventos adversos, notifique ao sistema de Notificação em Vigilância Sanitária NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Mebendazol + Tiabendazol: Interações medicamentosas

O uso concomitante de Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) com cimetidina provoca um aumento da concentração plasmática de mebendazol.

Devido a presença do tiabendazol na fórmula de Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas), o seu uso concomitante com teofilina potencializa os efeitos desta.

Quando for administrar Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) em pacientes que fazem uso de medicamentos derivados de xantina é necessário um prévio monitoramento sanguíneo para ajuste da posologia.

O uso concomitante entre mebendazol e metronidazol deve ser evitado, pois resultados obtidos em estudos de caso de controle sugerem uma possível relação com a Síndrome de Stevens Johnson / necrólise epidérmica tóxica.

As aminoquinolinas (antimaláricos) podem diminuir as concentrações plasmáticas de mebendazol e de tiabendazol.

A carbamazepina e a fenitoína podem reduzir as concentrações plasmáticas de mebendazol.

O metronidazol pode aumentar os eventos adversos do mebendazol, particularmente o risco de síndrome de Stevens-Johnson ou necrólise epidérmica tóxica.

O tiabendazol , que é um inibidor da CYP1A2, pode aumentar as concentrações plasmáticas de bendamustina e causar redução das concentrações plasmáticas de seus metabólitos ativos.

Mebendazol + Tiabendazol: Precauções

De acordo com a literatura científica, não existem estudos concluídos que assegurem o uso de Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) em crianças menores de 5 anos, portanto, recomenda-se nestes casos uma criteriosa avaliação médica da relação risco/benefício antes da prescrição.

Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) deve ser administrado com cautela em pacientes portadores de insuficiência renal e/ou hepática.

Uma vez que mebendazol é primariamente metabolizado pelo fígado , sua administração a pacientes com insuficiência hepática pode resultar em meia-vida prolongada e acúmulo do medicamento, com consequente aumento da frequência de eventos adversos.

O tiabendazol pode causar colestase, icterícia e lesão hepatocítica.

Pode ser necessária a redução da dose de Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) em pacientes com insuficiência hepática.

Deve-se ter cautela ao administrar Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) a pacientes com doença de Crohn ou colite ulcerativa, pois pode haver aumento da absorção de mebendazol e maior toxicidade nessas situações clínicas, especialmente no tratamento com doses elevadas da medicação.

Também se deve ter cautela na administração de Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) a pacientes com anemia , desidratação ou desnutrição proteico-calórica.

Reação de hipersensibilidade grave, tal como síndrome de Stevens-Johnson, já foi relatada com o uso de tiabendazol.

O medicamento deve ser suspenso imediatamente se aparecerem sinais de reações de hipersensibilidade.

Xeroftalmia, visão subnormal e xantopsia também podem ocorrer e persistir por mais de um ano.

Cristalúria com ou sem hematúria tem sido relatada após a descontinuação da terapia.

Em alguns pacientes, a urina pode ter odor característico, similar àquele que ocorre após a ingestão de aspargos. O odor persistirá por um dia após a descontinuação do tratamento.

Alguns pacientes podem apresentar leucopenia e hiperglicemia transitória.

O uso em pacientes idosos (acima de 60 anos) requer prescrição e acompanhamento médico.

Estudos de carcinogenicidade em camundongos e ratos recebendo doses tão elevadas quanto 40mg/Kg de peso/dia por mais de dois anos não demonstraram que mebendazol seja carcinogênico.

Estudos de mutagenicidade em camundongos que receberam doses únicas tão elevadas quanto 640mg/Kg não demonstraram que mebendazol seja mutagênico.

Mebendazol demonstrou atividade embriotóxica e teratogênica em ratas prenhas em doses orais tão baixas quanto 10mg/Kg de peso.

Desta forma, mebendazol, que cruza a barreira placentária, tem potencial de causar lesão ao feto se administrado durante a gravidez.

Apesar disso, uma pesquisa pós-comercialização em mulheres grávidas (em um total de 170 partos a termo) que tomaram mebendazol inadvertidamente durante o primeiro trimestre da gestação não demonstrou uma maior incidência de aborto espontâneo ou malformações que na população geral.

Categoria de Risco de Gravidez - C.

Os estudos em animais revelaram risco, mas não existem estudos disponíveis realizados em mulheres grávidas

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não se conhece a respeito da excreção de mebendazol e de tiabendazol no leite materno, portanto Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) não deve ser utilizado por mulheres que estejam amamentando.

Como Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) pode causar sonolência em alguns pacientes, deve-se evitar o manejo de veículos ou máquinas que requeiram vigilância durante o tratamento.

Devem ser realizados exames coprológicos antes e após o término do tratamento.

Para evitar novas infestações com helmintos, deve-se:

Este medicamento pode causar doping por conter álcool etílico em sua composição.

Mebendazol + Tiabendazol: Ação da substância no organismo

Resultados de eficácia

A eficácia da associação de mebendazol e tiabendazol (comprimido contendo 100mg de mebendazol e 166mg de tiabendazol, na posologia de dois comprimidos pela manhã e dois comprimidos à noite, durante três dias) no tratamento da estrongiloidíase foi estudada em 71 pacientes com mais de 15 anos de idade.

O controle de cura, realizado no 8°, 9° e 10° dias após o tratamento, baseou-se em exames de fezes considerando-se como falha terapêutica naqueles pacientes que apresentassem pelo menos um exame coproscópico positivo para larvas de Strongyloides stercoralis .

A associação propiciou a cura parasitológica de 83% dos pacientes a tolerância foi excelente.

O autor concluiu que a associaçäo mebendazol e tiabendazol constitui uma ótima opçäo para o tratamento da estrongiloidíase, tendo em vista sua excelente tolerância e elevada eficácia.

Em estudo nacional com 375 pacientes a associação mebendazol e tiabendazol negativou o exame de fezes em cerca de 90-95% dos pacientes com enterobiose, estrongiloidose, tricocefalose e ascaridiose e entre 80-90% com ancilostomose.

Atendendo a composição dos medicamentos, subdividimos o grupo A em dois subgrupos (A1 e A2).

No subgrupo A1, foi dado o medicamento sob a forma de suspensão oral ou comprimidos.

Cada 5mL da suspensão oral encerra 100mg de mebendazol e 250mg de tiabendazol e cada comprimido contém 100mg de mebendazol e 500mg de tiabendazol.

Quando devidamente administrado, a associação do mebendazol com o tiabendazol, em qualquer das duas formulações usadas, neste ensaio, negativa os exames de fezes em cerca de 90-95% dos pacientes com enterobiose, estrongiloidose, tricocefalose e ascaridiose e entre 80-90% com ancilostomose.

Quanto à comparação sobre a eficácia das duas formulações usadas não houve diferença entre elas.

Com respeito à sua tolerância, a associação com menor quantidade de tiabendazol (suspensão oral) produziu menos efeitos colaterais e reações de toxicidade.

Características farmacológicas

O mebendazol é um vermicida e um ovicida para os ovos da maioria dos helmintos.

Ele causa degeneração dos microtúbulos citoplasmáticos dos parasitas e bloqueia irreversivelmente a captação de glicose em helmintos susceptíveis (adultos e larvas) residentes no intestino.

A inibição da captação de glicose resulta em depleção dos estoques de glicogênio do parasita, o que reduz a formação de adenosina trifosfato (ATP) necessária para a sobrevivência e reprodução dos helmintos. Os estoques de energia vão diminuindo até a morte do parasita.

O tiabendazol é um vermicida que inibe a enzima fumarato redutase mitocondrial, interferindo com a geração de energia do parasita.

O tiabendazol também suprime a produção e inibe o desenvolvimento dos ovos ou larvas que são eliminadas nas fezes.

Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas) possui em sua composição, mebendazol e tiabendazol, dois anti-helmínticos com ação específica sobre diversos nematódeos e alguns cestódeos.

A associação dos dois componentes ativos permite o tratamento de verminoses múltiplas com um só medicamento.

O mebendazol é absorvido pelo trato gastrintestinal, e atinge o pico plasmático entre 40 e 50 minutos após administração oral; após administração de 100mg, 2 vezes ao dia durante 3 dias consecutivos produz níveis plasmáticos em torno de 0,03mcg/mL; cerca de 2% da dose administrada é excretada na urina e o restante é excretado nas fezes, inalterado ou na forma de metabólito primário (2-amino).

O tiabendazol é rapidamente absorvido pelo trato gastrintestinal e atinge o pico plasmático cerca de 1 a 2 horas após administração oral; é quase completamente metabolizado a 5-hidroxi e aparece na urina na forma de conjugados; dentro de 48 horas após a administração pode ser recuperada 5% da dose nas fezes e 90% na urina.

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.