Aspartato de ArgininaBula do Princípio Ativo

Aspartato de Arginina - Para que serve?

Aspartato de Arginina é indicado como suplemento de arginina em dietas restritivas e inadequadas.

Aspartato de Arginina: Contraindicação de uso

Aspartato de Arginina é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Não foram realizados estudos específicos com crianças, para o estabelecimento da segurança do uso de Aspartato de Arginina por este grupo. Portanto, Aspartato de Arginina é contraindicado para crianças.

Este medicamento é contraindicado para uso por crianças.

Aspartato de Arginina: Posologia e como usar

2 comprimidos, duas vezes ao dia, em séries de 15 a 30 dias, preferencialmente, às refeições.

Este produto é contraindicado para crianças.

Este produto deve ser administrado com cautela e consideração do risco/benefício, a pacientes portadores de insuficiência renal crônica.

Não há advertências ou recomendações especiais, sobre o uso do produto por pacientes idosos.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

Aspartato de Arginina - Reações Adversas

De modo geral, Aspartato de Arginina é bem tolerado e as raras reações adversas observadas com o uso da L-arginina não foram de relevância clínica e apresentaram remissão com a descontinuação do tratamento.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação de Eventos Adversos a Medicamentos - VIGIMED, disponível em http://portal.anvisa.gov.br/vigimed, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Aspartato de Arginina: Superdose

Até o momento, não existem relatos de casos de superdosagem com o uso de Aspartato de Arginina. Entretanto, é provável que os sintomas incluam náuseas, vômitos, diarréia, dor epigástrica / abdominal e hipotensão arterial. Possivelmente, lavagem gástrica, reposição hidreletrolítica e sintomáticos sejam benéficos.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

Aspartato de Arginina: Interações medicamentosas

A L-arginina pode potencializar a ação farmacológica do mononitrato de isossorbida , trinitrato de glicerila e nitroprussiato de sódio.

Aspartato de Arginina: Precauções

Embora seja citado na literatura o uso da L-arginina por gestantes, não foram realizados estudos específicos com gestantes e lactantes para o estabelecimento da segurança do uso da L-arginina por estes grupos e não há informações sobre sua excreção no leite materno. Portanto, Aspartato de Arginina só deve ser administrado a gestantes e lactantes em situações nas quais os benefícios superem os riscos e sob supervisão médica.

Categoria de Risco na Gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não há advertências ou recomendações especiais, sobre o uso do produto por pacientes idosos.

A sobrecarga de L-arginina pode promover alterações no metabolismo do nitrogênio uréico. Portanto, Aspartato de Arginina deve ser administrado com cautela e consideração do risco/benefício, a pacientes portadores de insuficiência renal crônica.

A sobrecarga de L-arginina pode promover alterações no metabolismo do nitrogênio uréico. Portanto, Aspartato de Arginina deve ser administrado com cautela e consideração do risco/benefício, a pacientes apresentando insuficiência hepática severa.

Por interferir no metabolismo glicídico, Aspartato de Arginina deve ser administrado a pacientes diabéticos sob supervisão médica.

Aspartato de Arginina não afeta a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas.

Aspartato de Arginina: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

Dados de literatura relatam o uso clínico e experimental da arginina como agente terapêutico. Isto se deve ao fato de o aminoácido L-arginina ser utilizado como substrato pela enzima óxido nítrico sintase, a qual catalisa a produção de óxido nítrico nas células. A suplementação oral prolongada com arginina induz um aumento na atividade de óxido nítrico o qual é produzido pela conversão de L-arginina em L-citrulina.

Em estudo placebo-controlado, pacientes submetidos à pancreatoduodenectomia (n = 30) foram alocados em três grupos e receberam dietas oral e enteral, nos pré e pós-operatórios, respectivamente, ricas em arginina e iniciadas cinco dias antes da cirurgia (grupo 1) ou somente no pós-operatório (grupo 2) e dieta parenteral isenta de arginina, no pós-operatório (grupo 3 – controle). Foram focadas a resposta imune e a incidência de complicações infecciosas. A proliferação de linfócitos concavalina-A ou fitohemaglutinina-estimulada e a atividade de células NK foram significativamente mais elevadas naqueles que receberam a arginina durante todo o período (grupo 1), assim como a expressão do RNAm das células T e os níveis de interferon-gama e interleucina-17F. Neste grupo, a taxa de infecções foi menor, quando comparada à dos demais grupos. 1

Referências Bibliográficas:

1) Suzuki, D. et als. - Effects of peri-operative immunonutrition on cell-mediated immunity, T helper type 1 (Th1)/Th2 differentiation, and Th17 response after pancreaticoduodenectomy. Surgery; 2010/Article in Press. Disponível em: doi:10.1016/j.surg.2010.01.017

Características Farmacológicas

Aspartato de Arginina tem como princípio ativo o aspartato de L-arginina (ácido 2-amino-5- guanidinovalérico), um aminoácido que, embora sintetizado nos rins a partir da citrulina, é considerado semiessencial – ou condicionalmente essencial, conforme alguns autores –, em casos de demanda aumentada ou déficit de sua produção, como no crescimento e desenvolvimento de crianças ou convalescença.

A L-arginina, além da síntese protéica, participa de variadas e importantes vias metabólicas, como, dentre outras, da síntese da creatina , a qual, em sua forma fosforilada, é uma importante fonte de energia para a contração muscular; da síntese de poliaminas, moléculas essenciais para a proliferação e diferenciação celular e, portanto, regeneração dos tecidos; do ciclo da uréia, a única via, em mamíferos, para a detoxificação da amônia; da liberação do Hormônio do Crescimento (GH), por inibição da somatostatina (SRIH), e como precursora do óxido nítrico. O óxido nítrico, por sua vez, atua no controle do tônus vascular, promovendo vasodilação, por relaxamento da musculatura lisa vascular, e regulando a pressão e o fluxo sanguíneos; na redução da agregação plaquetária, por aumento do GMP-cíclico plaquetário; na imunidade inata, potencializando a ação de macrófagos e monócitos macrófagos-derivados; na produção e diferenciação de linfócitos B e como mediador da neurotransmissão não-adrenérgica / não-colinérgica.

A absorção da L-arginina, quando administrada pela via oral, ocorre no jejuno e, ainda nos enterócitos, é extensivamente catabolizada. O pico de concentração plasmática, observado 1 hora após a administração de 10 g, foi de 50,0 ± 13,4 µg/ml -1 , não sendo, entretanto, observado um clearance renal significativo. As concentrações vs tempo, quando plotadas em uma escala semilogarítmica, sugeriram um padrão, no mínimo, bifásico. A biodisponibilidade foi de, aproximadamente, 21 ± 4 % (variando de 5% a 50%, entre os participantes do estudo), porém a variabilidade da razão L-arginina/óxido nítrico não foi avaliada. A Larginina é reabsorvida no segmento distal das alças de Henle, entretanto esta reabsorção é limitada e doses excessivas são excretadas, in natura , pelos rins. O óxido nítirico, gerado a partir da L-arginina, é oxidado, nas soluções aquosas, a nitrito e nitrato. Estes compostos são encontrados no plasma, após a administração da Larginina, e, consequentemente, excretados na urina, principalmente como nitrato. A meia-vida da L-arginina é de, aproximadamente, 1,5 – 2,0 h.

Aspartato de Arginina: Interacao com alimentos

A farmacocinética de Aspartato de Arginina não se modifica na presença de alimentos e, até o momento, não foram descritos casos de interação com estes.

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.