Acetilcisteína + Sulfato de TuaminoeptanoBula do Princípio Ativo

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano - Para que serve?

Este medicamento é indicado para o tratamento da congestão nasal causada por rinites (agudas e subagudas) alérgicas e vasomotoras, rinites crônicas, principalmente com secreção mucosa mucopurulenta e/ou presença de formações mucocrostosas e para o tratamento de sinusites (agudas e crônicas).

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Contraindicação de uso

Este medicamento é contraindicado para pacientes com histórico de hipersensibilidade conhecida à acetilcisteína , sulfato de tuaminoeptano e/ou demais componentes de sua formulação, glaucoma de ângulo fechado, doença cardiovascular (incluindo hipertensão), histórico de doença cerebrovascular, incluindo presença de fatores de risco relevantes devido à atividade simpaticomimética alfa; histórico de convulsões.feocromocitoma, hipofisectomia ou cirurgia com exposição da dura-mater, uso concomitante com outros agentes simpatomiméticos (incluindo outros descongestionantes nasais). Este medicamento não deve ser usado durante o tratamento com o grupo dos inibidores da monoaminoxidase (IMAO) (incluindo inibidores reversíveis da monoaminoxidase), e nas duas semanas seguintes ao término do tratamento.

Este medicamento é contraindicado para menores de 6 anos.

Categoria C: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Posologia e como usar

O medicamento já vem pronto para o uso, não é necessário diluir com água.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano é de uso exclusivo pela via nasal. Se o paciente deixou de aplicar uma dose deverá aplicá-la o quanto antes e administrar a dose seguinte como de costume, isto é, na hora regular e sem dobrar a dose.

Posologia do Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano

3 a 4 gotas em cada narina de 3 a 4 vezes ao dia.

1 a 3 gotas em cada narina de 3 a 4 vezes ao dia.

Por ser um descongestionante nasal tópico, recomenda-se não usar Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano continuamente por mais de 7 dias. A dose diária máxima não deve ser excedida.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano - Reações Adversas

Se for observada qualquer outra reação não descrita nesta bula, informe seu médico.

O uso prolongado pode alterar as funções normais das mucosas nasal e paranasal, causando congestão nasal e indução de tolerância ao medicamento.

Para a avaliação contínua da segurança do medicamento é fundamental o conhecimento de seus eventos adversos. Notifique qualquer evento adverso ao SAC Zambon (0800 017 70 11).

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Superdose

Em situações de superdosagem em adultos, pode ocorrer: hipertensão arterial, fotofobia , cefaléia intensa, aperto torácico.

Pode ocorrer hipotermia com sedação. Caso ocorra a utilização de doses excessivas do medicamento, recomenda-se a imediata supervisão médica do paciente.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações. Informe-se também com o SAC Zambon (0800 017 70 11) em casos de dúvidas.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Interações medicamentosas

A absorção de medicamentos peptídicos administrados por via nasal, como a calcitonina, incrementou-se com o uso concomitante de acetilcisteína por via nasal em modelos animais.

Pacientes que fazem uso de inibidores da MAO (inclusive inibidores reversíveis da monoaminoxidase) como moclobemida , tranilcipromina e selegilina, devem suspender o tratamento 14 dias antes de iniciar o tratamento com Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano pelo risco aumentado de crise hipertensiva. O tratamento com inibidores de MAO incrementa a quantidade de noradrenalina disponível nas terminações nervosas por até 2 semanas após a descontinuação de seu uso e a administração de simpatomiméticos, como o tuaminoeptano, nesse período pode resultar em um episódio hipertensivo.

Pode inibir o efeito hipotensivo de antihipertensivos incluindo beta bloqueadores e bloqueadores de neurônio adrenérgico, pode aumentar o risco de disritmias com glicosídeos cardíacos, pode aumentar o risco de toxicidade cardiovascular com drogas antiparkinsonianas, pode aumentar o risco de hipertensão com a ocitocina , pode aumentar o risco de ergotismo com alcalóides do ergot .

Não foram observadas alterações nos exames laboratoriais em pacientes que fazem uso de Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano nasal.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Precauções

Os agentes simpatomiméticos devem ser usados com precaução em pacientes com doença vascular oclusiva, uso de betabloqueadores, diabetes mellitus, hipertireoidismo , hiperplasia prostática (pode aumentar a dificuldade de micção). O uso prolongado de vasoconstritores pode provocar efeito rebote com congestão nasal e induzir rinite medicamentosa. Manter longe dos olhos. Pacientes devem ser informados a interromper o tratamento se ocorrer hipertensão arterial, taquicardia, palpitações, distúrbios do ritmo cardíaco, náusea, ou quaisquer sinais e sintomas neurológicos (como novo episódio ou agravamento de cefaleia).

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano contém cloreto de benzalcônio como conservante que é um irritante, pode causar reação de pele ou broncoespasmo. Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano, assim como os demais descongestionantes nasais tópicos, não deve ser usado continuamente por mais de 7 dias.

Devem ser seguidas as orientações médicas e gerais descritas em bula.

Deve ser administrado com precaução em crianças asmáticas. Pode ser usado com segurança em crianças acima de 6 anos de idade.

O uso de Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano pode ocasionar resultados positivos nos testes antidopings .

Este medicamento pode causar doping .

O uso deste medicamento em longo prazo pode ocasionar edema da mucosa nasal.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano não interfere no estado de vigília e atenção do paciente, o que permite a você dirigir e operar máquinas normalmente enquanto estiver fazendo uso do medicamento. Nenhum estudo específico foi realizado, mas os pacientes devem ser informados que alucinações foram relatadas.

Dados sobre um número limitado de gravidezes expostas não indicam efeitos adversos da acetilcisteína na gravidez ou na saúde do feto / recém-nascido. Até o momento, não há outros dados epidemiológicos relevantes disponíveis. Estudos em animais com acetilcisteína não indicam efeitos nocivos diretos ou indiretos em relação à toxicidade reprodutiva.

Não existem dados sobre gravidezes expostas ou estudos em animais com Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano.

O produto não é recomendado durante a gravidez.

Não há estudos disponíveis sobre a excreção de acetilcisteína ou sulfato de tuaminoeptano e derivados no leite materno, não sendo aconselhado o seu uso durante a amamentação. Um risco para o lactente não pode ser excluído. O produto não deve ser usado por mulheres lactantes. Este medicamento só deve ser utilizado por mulheres grávidas e lactantes em casos de extrema necessidade sob devida supervisão médica.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Não há estudos em animais disponíveis com Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano. Não há dados disponíveis em humanos.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano (3 a 4 gotas, 4 vezes ao dia durante 10 dias) em estudo com 70 pacientes com quadro clínico de rinite aguda ou subaguda, purulenta ou mucopurulenta, rinite vasomotora, alérgica e inespecífica, mostrou melhora significativa nos casos em que a secreção era mais abundante. Além de ser bem tolerado pelos pacientes (Portmann M & Sterkers JM, 1980).

A eficácia de Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano foi avaliada em um estudo comparativo randomizado duplo cego com 160 pacientes portadores de rinite perene com a utilização de três aplicações diárias durante sete dias. Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano foi comparado com placebo, tendo como parâmetros de melhora, grau de eritema, edema da mucosa nasal, quantidade, aparência e densidade da secreção nasal, através de uma escala numérica. A avaliação final demonstrou 55% de redução do eritema e 57% da viscosidade da secreção nasal (p=0,05). Tendo os autores encontrado uma resposta considerada muito boa em 48% no grupo Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptanoe, de 28% no grupo placebo (p=0,04). Não ocorreram eventos adversos no grupo estudado e, náusea de intensidade leve foi relatada por um paciente no grupo placebo (Margarino G, 1998). Em um estudo observacional de monitorização do Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano, 874 pacientes com rinite aguda e crônica ou sinusite aguda e crônica, 91,8% relataram boa resposta terapêutica e apenas 0,7% relataram eventos adversos.

Não foram relatados eventos adversos graves (Study 1220,90 - 1991).

A eficácia e a tolerabilidade de Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano foram avaliadas em um estudo randomizado, duplo-cego placebo controlado em 35 crianças. O grupo tratado (18 crianças) utilizou Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano 3 a 4 gotas, 3 vezes ao dia, durante 7 dias. Ao final deste período observou-se que houve melhora da inflamação local em 83% na média geral e, de 100% quando considerado somente os portadores de rinite purulenta. Em nenhum dos pacientes tratados foram observados efeitos adversos. Pode-se concluir que Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano é eficaz e a resposta ao tratamento é mais evidente nos casos de rinite purulenta acompanhada de abundante secreção viscosa em crianças. Neste estudo, Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano foi superior ao placebo nos parâmetros clínicos estudados (Duvivier A, 1980).

Em um estudo aberto, multicêntrico foi analisado o efeito de Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano antes e após o tratamento de 70 pacientes, com idade entre 9 meses e 55 anos (média: 16,3 anos). Foram incluídos 17 pacientes com sinusite, 39 com rinite, associada ou não à otite ou faringite e, 14 pacientes com outros diagnósticos. Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano (3 a 4 gotas, 3 a 4 vezes ao dia) foi utilizado durante 5 a 10 dias. Ao final do estudo houve melhora do edema local, redução da quantidade e viscosidade da secreção e da sensação subjetiva da dificuldade de respirar. Na análise estatística todos estes parâmetros apresentaram melhora significativa (p<0,001) (Macciocchi A, 1979).

Características Farmacológicas

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano é uma associação terapêutica composta por acetilcisteína e sulfato de tuaminoeptano.

Trata-se de um fármaco mucolítico direto que atua sobre as características reológicas do muco, destruindo as pontes dissulfeto das macromoléculas mucoproteícas presentes na secreção brônquica. Esta ação farmacológica realiza-se graças à presença de um grupo sulfidrílico (-SH) livre na molécula que proporciona a sua atividade biológica.

A ação determina a formação de moléculas com um peso molecular inferior, o que contribui para uma maior fluidez do muco ao reduzir a sua viscosidade. A acetilcisteína é eficaz na redução da consistência e elasticidade do muco, observando-se uma relação dose e tempo/resposta. Os aumentos progressivos das concentrações de acetilcisteína provocam uma maior e mais rápida redução de viscosidade.

A acetilcisteína é um derivado do aminoácido natural cisteína e age como precursor do agente redutor glutationa, uma molécula endógena com papel crucial no mecanismo de defesa de agentes tóxicos. Também a acetilcisteína tem demonstrado ser efetiva no controle de várias condições patológicas como rinites e sinusites e onde está presente o estresse oxidativo, como bronquite aguda e crônica.

A eficácia terapêutica da acetilcisteína nos processos inflamatórios nasais como a rinite é interpretada por sua ação farmacológica. A redução da viscosidade do muco facilita a remoção e evita a evolução para a infecção (sinusite). O efeito anti-inflamatório /antioxidante ocorre através da cisteína, precursora da glutationa. A cisteína é considerada um dos mais importantes antioxidantes presentes na célula, agindo através da inibição da quimiotaxia de neutrófilos. De acordo com os estudos in vitro, a acetilcisteína possui efeito anti-inflamatório em condições alérgicas.

É uma amina simpatomimética (agonista alfa-adrenérgico) volátil com atividade vasoconstritora, utilizada como descongestionante nasal tópico para o tratamento sintomático de todas as formas de rinite.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano também melhora a atividade mucociliar das mucosas do trato respiratório. A acetilcisteína, particularmente neste medicamento, reduz a viscosidade das secreções mucosas nos processos catarrais e gripais facilitando a sua expulsão. Esta ação é obtida pela despolimerização dos complexos mucoproteícos e ácidos nucléicos que conferem viscosidade às secreções purulentas e mucopurulentas. Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano também contém sulfato de tuaminoeptano, um agente alfa adrenérgico, cuja administração tópica na mucosa nasal proporciona uma ação vasoconstritora sem efeitos sistêmicos particulares .

Os dois componentes agem sinergicamente, ao reduzirem a resistência intranasal.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano pode ser absorvido sistemicamente através da mucosa nasal e do trato gastrintestinal após administração intranasal, resultando em efeitos adversos sistêmicos, principalmente se for usado em doses excessivas.

O metabolismo in vitro do sulfato de tuaminoeptano foi estudada em hepatócitos humanos. Nenhuma transformação in vitro ocorreu em hepatócitos humanos.

O maior metabólito da NAC é sulfato inorgânico, que é excretado na urina, outros metabólitos incluindo taurina, cisteina, e NN-diacetilcisteína. A NAC é rapidamente desacetilada à cisteina, a qual é incorporada às proteínas . A cisteína excedente é introduzida no fígado onde é também metabolizada para excreção ou modificação posterior.

A atividade descongestionante de Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano é rápida e constante. Em estudo controlado, a atividade vasoconstritora avaliada pela rinomanometria com redução da resistência e aumento dos fluxos inspiratório e expiratório, foi constatada já aos 5 minutos, mantendo-se ativo por um período de 20 minutos.

Um outro estudo randomizado, duplo-cego, placebo controlado, feito em 354 pacientes com obstrução nasal (rinite viral aparente) mostrou que o Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano apresentou melhora da rinorréia aos 15 minutos.

Os dados não clínicos com Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano não revelam riscos especiais para humanos com base em estudos convencionais de segurança farmacológica e de toxicidade de doses repetidas.

Estudos conduzidos para detectar quaisquer efeitos tóxicos locais e/ou sistêmicos tem demonstrado que o produto é bem tolerado nas superfícies mucosas e serosas.

Não há estudos disponíveis de genotoxicidade e toxicidade reprodutiva e de desenvolvimento para o Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano.

Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano: Interacao com alimentos

Por ser de uso nasal não há interferência entre Acetilcisteína + Sulfato de Tuaminoeptano nasal e alimentos.

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.