Tioconazol + Tinidazol + SecnidazolBula do Princípio Ativo

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol - Para que serve?

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol é indicado no tratamento das infecções vulvares e vaginais causadas por Candida , Trichomonas e Gardnerella, isoladas ou mistas.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol tem como princípios ativos o tioconazol, tinidazol e secnidazol, que possuem ação efetiva na eliminação dos germes mais frequentemente encontrados nas infecções vulvares ou vaginais, isoladamente ou associados: Candida albicans , Trichomonas vaginalis e Gardnerella vaginalis . Como muitas vezes o diagnóstico destas infecções é clínico, o médico necessita instituir a terapêutica com uma associação de drogas eficazes contra os agentes mais comumente envolvidos nestas condições.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol: Contraindicação de uso

Este medicamento é contraindicado para uso por crianças.

Este medicamento é contraindicado para uso no primeiro trimestre de gestação.

Este medicamento é contraindicado para uso durante a amamentação.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol: Posologia e como usar

Atenção: Certificar-se de que todo o conteúdo do aplicador tenha sido transferido para a vagina. Utilizar o aplicador apenas 1 vez. Após a aplicação, descartar o aplicador.

Posologia do Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol

Aplique o conteúdo de um aplicador cheio (aproximadamente 5 g de creme), uma vez à noite, ao se deitar, durante sete dias consecutivos ou, como alternativa, duas vezes ao dia, durante três dias.

O creme vaginal deve ser aplicado profundamente na vagina, de preferência fora do período menstrual.

Mesmo que os sintomas tenham melhorado, o tratamento só estará concluído ao final do tempo recomendado. Parar antes poderá resultar em retorno do processo infeccioso.

Administre de uma só vez os dois comprimidos de 1000 mg de secnidazol. A mesma dosagem pode ser recomendada para o cônjuge.

Caso a paciente esqueça de administrar Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol no horário estabelecido, deve fazê-lo assim que lembrar. Entretanto, se já estiver perto do horário de administrar a próxima dose, deve desconsiderar a dose esquecida e utilizar a próxima. Neste caso, a paciente não deve utilizar a dose duplicada para compensar doses esquecidas.

O esquecimento de dose pode comprometer a eficácia do tratamento.

Este medicamento (comprimido revestido de secnidazol) não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol - Reações Adversas

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol é bem tolerado no local de aplicação. As reações desagradáveis que podem ocorrer ao usar Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol tendem a ser raras, de intensidade moderada e transitórias.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - Notivisa, disponível em http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol: Interações medicamentosas

O secnidazol pode interferir com os resultados de várias análises bioquímicas como determinação do TGO, TGP, colesterol LDL e triglicerídeos , inclusive com ocorrência de valores zero.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol: Precauções

Categoria C de risco de gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Tioconazol + Tinidazol + Secnidazol: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

A associação foi estudada por diversos autores que avaliaram a eficácia e a tolerabilidade do comprimido de secnidazol dose única e do creme vaginal de tinidazol e tioconazol no tratamento de pacientes com vulvovaginites causadas por Trichomonas , Gardnerella ou Candida albicans .

Passos et al. realizaram um ensaio clínico, aberto, randomizado, incluindo mulheres que procuraram atendimento ambulatorial com queixa clínica de vulvovaginite . As pacientes foram divididas em três grupos de tratamento: apenas medicação via oral - secnidazol 2g VO em dose única; apenas medicação via vaginal - creme vaginal com tioconazol + tinidazol durante 7 noites; e esquemas dos grupos 1 e 2. As pacientes foram reavaliadas aos 13-15 dias e aos 28-30 dias. Resultados: Iniciaram o estudo 118 pacientes, porém 101 (85,47%) cumpriram todo o protocolo. As taxas de cura clínica e microbiológica foram: grupos 1, 2 e 3, respectivamente: candidíase 0% - 76,9% - 76,46%, vaginose bacteriana 70% - 60% - 83,33%, microbiota vaginal alterada 54,14% - 33,4% - 80% e tricomoníase 80% - 33,4% - 100%. As taxas de cura clínica e microbiológica do grupo 3 (secnidazol oral + tinidazol e tioconazol vaginal) foram, percentualmente, bem superiores aos outros esquemas testados, seja só oral ou só vaginal. O grupo 3 (83,3%) apresentou proporção de cura significativamente (p = 0,005) maior que o grupo 2 (48,1%), com o risco relativo de 2,5 (IC 95%: 1,14 - 5,49) de cura. 1

Farah et al. estudaram a eficácia e tolerabilidade da associação tinidazol-tioconazol creme vaginal, no tratamento das vaginites causadas por Trichomonas, Gardnerella vaginalis ou Candida albicans . Foi observada nas 60 pacientes uma redução significativa (p<0,001) em todos os parâmetros clínicos estudados (corrimento, inflamação, eritema, fissura, odor e prurido). A avaliação microbiológica revelou no 7o e 28o dias 90% e 82%, respectivamente, de ausência do patógeno inicial, sendo estes resultados estatisticamente significantes (p<0,001). Concluíram que a associação em creme vaginal é bastante eficaz e muito bem tolerada nos tratamento destes três tipos de vaginites estudadas. 2

No ensaio clínico publicado por Duarte et al ., a paciente deveria ter queixa de sinais e sintomas de vulvovaginite. A conduta para diagnóstico laboratorial do estudo foi o exame citológico (Papanicolaou), além de criterioso exame clínico. Das setenta e duas pacientes que completaram o estudo por eles conduzido, 53/72 (76,61%) apresentaram cura total e nenhuma das pacientes relataram efeitos adversos. Duarte et al . , analisando a efetividade e tolerabilidade da associação tioconazol/tinidazol no tratamento de vulvovaginites, concluíram que o creme vaginal à base de tioconazol/tinidazol tem boa efetividade para o tratamento das vulvovaginites infecciosas, com excelente tolerabilidade. 3

Bohbot et al. em estudo multicêntrico, duplo-cego, randomizado, comparativo entre secnidazol 2g em dose única e metronidazol 500mg por 7 dias ambos por via oral, para o tratamento da vaginose bacteriana, observaram uma taxa de cura em 60,1% vs 59,5% no D28. O estudo avaliou 577 pacientes com idades entre 18 a 65 anos com sinais clínicos de vaginose bacteriana. Concluiu que o secnidazol em dose única, representa uma terapêutica eficiente e com posologia mais conveniente, e que os clínicos deveriam considerar na sua pratica diária. 4

Bagnoli et al. em estudo comparativo de secnidazol VO em dose única de 2g versus metronidazol 400mg VO duas vezes ao dia por sete dias, encontraram cura clínica ou melhora acentuada da vaginite em 93,1% e 95,8%, respectivamente. O estudo avaliou 91 pacientes e concluiu que o secnidazol oral em dose única constitui alternativa terapêutica nas vaginites inespecíficas, pois apresenta eficácia e boa tolerabilidade. 5

Referências Bibliográficas

1 Passos M.R.L., et al. Estudo comparativo da eficácia de esquema oral, vaginal e oral e vaginal combinados para tratamento de vulvovaginites. RBM - Rev Bras Med; 63(3):163 -173; 2006.
2 Farah, CA., D’Elia, E., Trabulsi, R. O uso da associação tinidazol-tioconazol no tratamento das vaginites causadas por Trichomonas, Gardnerella vaginalis ou Candida albicans. J Bras Ginecol.97(1-2):43-47; 1987.
3 Duarte G, Baracat EC, Wehba S. Efetividade e Tolerabilidade da Associação Tioconazol/Tinidazol no Tratamento de Vulvovaginites. Femina 1996; 24(10):895-908.
4 Bohbot JM, Vicaut E, Fagnen D, Brauman M. Treatment of Bacterial Vaginosis: A Multicenter, Double-Blind, Double-Dummy, Randomised Phase III Study Comparing Secnidazole and Metronidazole. Infectious Diseases in Obstetrics and Gynecology Volume 2010, Article ID 705692, 6 pages doi:10.1155/2010/705692.
5 Bagnoli V.R., et al. Vaginites inespecíficas: tratamento comparativo entre secnidazol e metronidazol. Folha med. 98:(3): 171-4; 1989.

Características Farmacológicas

O tinidazol é um derivado imidazólico ativo contra protozoários ( Trichomonas vaginalis ) e bactérias anaeróbias (incluindo a Gardnerella vaginalis ). O tinidazol apresenta uma ação bactericida e protozoaricida ao penetrar nos micro-organismos por difusão, sendo, a seguir, reduzido a substâncias intermediárias citotóxicas, o que, provavelmente, causa danos ao DNA. Essa ação no DNA do patógeno impede a sua replicação, inativando-o, impedindo, dessa maneira, as sínteses enzimáticas, o que vai resultar na morte celular. A ação seletiva de tinidazol sobre as bactérias anaeróbias estritas se deve ao fato de as próprias bactérias reduzirem, metabolicamente, os imidazólicos a produtos tóxicos, o que não ocorre com as bactérias aeróbias e anaeróbias facultativas.

O tioconazol, também derivado do grupo de imidazólicos, é um agente antifúngico de amplo espectro, também ativo contra protozoários e bactérias anaeróbias obrigatórias. Seu mecanismo de ação é duplo, já que em baixas concentrações desenvolve um efeito fungistático que se relaciona com a inibição da biossíntese de seu funcionamento. Em concentrações elevadas atua como um potente fungicida por ação direta sobre a parede celular. Em estudos clínicos, o tioconazol é eficaz no tratamento de pacientes com infecção vaginal causada por Candida albicans , outras espécies de Candida , e por Trichomonas vaginalis.

Secnidazol pertence ao grupo químico dos 5-nitroimidazólicos, cuja lista é encabeçada pelo metronidazol. O secnidazol exerce sua atividade por alteração do DNA microbiano através de metabólito ativo, que é formado pelo metabolismo anaeróbio.

O secnidazol e outros 5-nitroimidazóis apresentam atividade seletiva contra diversas bactérias anaeróbias e protozoários. O secnidazol apresenta atividade contra Gardnerella vaginalis e Trichomonas vaginalis .

A absorção sistêmica do tioconazol e do tinidazol isolados, quando administrados por via vaginal, é mínima.

Assim, uma absorção similar muito pequena deve ser esperada da associação. Apesar de a absorção de tinidazol por via intravaginal ser clinicamente desprezível, os pacientes em uso de nitroimidazólicos devem se abster do uso de bebidas alcoólicas por uma possível intolerância ao álcool.

O secnidazol é rapidamente absorvido pela administração oral e apresenta concentrações séricas máximas aproximadamente três horas após ser administrado. Não existe nenhum efeito relativo à primeira passagem hepática do secnidazol, fato que se repete quando o medicamento é administrado por via intravenosa. O tempo médio de absorção em seres humanos é de, aproximadamente, 2,2 horas.

O tinidazol absorvido sistemicamente é excretado pelo fígado e pelos rins. Até 5% da dose administrada é excretada nas fezes. A fração de tioconazol absorvida sistemicamente após administração intravaginal é eliminada do plasma em 72 horas. Uma parte é excretada na urina na forma de metabólitos e nas fezes na forma inalterada.

O secnidazol está presente no organismo por mais de 72 horas após a administração de uma dose única oral de 2,0g. A meia-vida do secnidazol é prolongada, 20 a 25 horas. Quando estudadas as propriedades farmacocinéticas dos 5-nitroimidazólicos, o secnidazol se revela como o nitroimidazólico com tempo de meia-vida maior. Esta meia-vida prolongada é resultado de um processo de eliminação lento.

Logo após uma dose oral única de 1,0g de secnidazol, foi demonstrado um equilíbrio entre as excreções hepática e renal. A reduzida depuração hepática confirma a baixa metabolização do secnidazol no fígado. Em seres humanos, 50% da dose de secnidazol administrada é recuperada na urina em forma livre ou conjugada.

A excreção fecal do produto inalterado ou dos metabólitos é praticamente nula, tanto em seres humanos como em animais (ratos, coelhos e cães).

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.