Rhamnus purshianaBula do Princípio Ativo

Rhamnus purshiana - Para que serve?

Rhamnus purshiana é destinado ao tratamento de prisão de ventre e/ou constipação ocasional.

Rhamnus purshiana: Contraindicação de uso

Rhamnus purshiana é contra-indicado em casos de estenosi, atonia, obstrução intestinal , constipação crônica, abdômen agudo, dor abdominal, processos ulcerosos do trato digestivo, doenças inflamatórias intestinais agudas (colites, Doença de Chron), esofagite por refluxo, transtornos hidroeletrolíticos, íleo paralítico, cólon irritável, diverticulite , doença diverticular, apendicite e nefrites. Não podendo ser utilizado nos estados inflamatórios uterinos, menstruação, cistites e quando houver hemorróida.

Nos casos de insuficiência hepática renal e cardíaca, o seu uso é contra-indicado.

Rhamnus purshiana , assim como todos os laxantes de contato, não deve ser usada por períodos superiores a uma semana.

Não há dados disponíveis acerca do uso de Rhamnus purshiana durante a gravidez e lactação. Este medicamento não deve ser usado nestas condições, exceto sob orientação médica.

Informe ao seu médico se ocorrer gravidez ou se iniciar amamentação durante o uso deste medicamento.

Este medicamento é contra-indicado para crianças abaixo de 12 anos.

Não existem contra-indicações ou precauções especiais específicas para pacientes idosos.

Rhamnus purshiana: Posologia e como usar

Uso oral / uso interno.

Ingerir 3 cápsulas ao deitar-se.

Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento procure orientação do farmacêutico.

Não desaparecendo os sintomas procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Rhamnus purshiana - Reações Adversas

Durante o tratamento com este medicamento podem ocorrer dores e espasmos abdominais por irritação do cólon.

Em raros casos, pode levar a arritmias cardíacas, nefropatias, inchaço e diminuição óssea acelerada. Certos constituintes da Rhamnus purshiana são excretados pelo rim, podendo apresentar uma coloração alaranjada. O uso crônico pode causar pigmentação do cólon ( Pseudomelanosis coli ) que é reversível com a descontinuação da droga.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Rhamnus purshiana: Superdose

Em caso de superdosagem, suspender o uso e procurar orientação médica de imediato.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Rhamnus purshiana: Interações medicamentosas

A perda de potássio, resultante do uso prolongado de Rhamnus purshiana , pode potencializar a toxicidade dos digitálicos e as arritmias, quando Rhamnus purshiana é administrada concomitantemente com as drogas antiarrítmicas. A indometacina pode ter seu efeito diminuído quando administrada com Rhamnus purshiana .

Recomenda-se não associar a outros medicamentos, salvo sob orientação médica.

A hipocalemia (resultante do uso abusivo e prolongado) potencializa a ação de glicosídeos cardiotônicos e interage com drogas antiarrítmicas. O uso concomitante com outras drogas que induzem a hipocalemia, como por exemplo, diuréticos tiazidas e adrenocorticóides, pode agravar o desequilíbrio eletrolítico.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Rhamnus purshiana: Precauções

Rhamnus purshiana só deve ser utilizado se nenhum efeito tiver sido observado por meio de mudança de dieta. Este medicamento não deve ser utilizado por mais de uma semana. O uso de laxantes por tempo maior que o recomendado pode causar lentidão intestinal, espasmos e cólicas.

Certos constituintes de Rhamnus purshiana são excretados pelo rim, podendo apresentar uma coloração alaranjada.

Rhamnus purshiana: Ação da substância no organismo

Rhamnus purshiana apresenta um efeito laxante por contato, age aumentando a movimentação intestinal e diminuindo a absorção de água e eletrólitos, o que facilita a eliminação das fezes. O tempo estimado para início da ação deste medicamento é de 6-8 horas após a sua administração.

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.