Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + EletrólitosBula do Princípio Ativo

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos - Para que serve?

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos é destinado a nutrição parenteral .

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos: Contraindicação de uso

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos é contraindicado em neonatos, lactantes e crianças até 24 meses de idade, considerando as suas distintas necessidades nutricionais.

Categoria de risco na gravidez: C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos: Posologia e como usar

Após infusão nunca guardar sobras da solução para emprego posterior. Qualquer resíduo deve ser descartado. Só devem ser utilizadas soluções totalmente transparentes e com envase não danificado. Utilize sempre bolsas nas quais as soluções de aminoácidos e glicose estejam límpidas. Não utilize bolsas nas quais haja separação de fase discernível (gotas de óleo) na câmara contendo a emulsão de lipídeos.

Se forem utilizados filtros, os mesmos devem ser lipídeo-permeáveis.

Posologia do Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos

A dose deve ajustar-se as necessidades individuais do paciente.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos deve ser administrado em forma de infusão contínua. Um aumento na velocidade de infusão além dos primeiros 30 minutos até a velocidade de infusão desejada evita possíveis complicações.

Por exemplo, para um paciente pesando 70 kg, isso corresponde a uma velocidade de infusão de 140 mL /hora. A quantidade de aminoácidos administrada é então de 5,4 g/hora, de glicose de 16,8 g/hora e de lipídeos de 5,6 g/hora.

Em geral, recomenda-se que a quantidade máxima de calorias não deve exceder 40 Kcal/kg de peso corporal/dia. Doses maiores são possíveis se especialmente indicado, por exemplo, em pacientes queimados.

As recomendações de dosagem são orientações baseadas nas necessidades médias. A dose deve ser adaptada individualmente. de acordo com a idade, estágio de desenvolvimento e doença. Para cálculo da dosagem deve ser levado em consideração o estado de hidratação do paciente pediátrico.

Para crianças é necessário iniciar a terapia nutricional com metade da dosagem alvo. A dosagem deve ser aumentada gradativamente de acordo com a capacidade metabólica individual até a dose máxima.

Energia adicional que possa ser requerida para pacientes pediátricos deve ser administrada na forma de solução de glicose ou emulsão de lipídeos conforme o caso.

A duração do tratamento para as indicações estabelecidas não é limitada. Durante a administração de Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos a longo prazo, é necessário fornecer a reposição apropriada de elementos traços e vitaminas .

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos - Reações Adversas

Pequena elevação na temperatura, eritema, sensação de frio, tremores, perda de apetite, náuseas, vômitos , dificuldade respiratória, cefaléia, dor nas costas , ossos, peito e região lombar, queda ou aumento da pressão sangüínea ( hipotensão , hipertensão), reações de hipersensibilidade (por exemplo, reações anafiláticas, erupções dérmicas).

Rubor ou descoloração da pele devido a oxigenação deficiente do sangue ( cianose ) podem ocorrer como efeitos colaterais.

Se esses efeitos colaterais surgirem, a infusão deverá ser descontinuada ou, se for apropriado, a infusão deverá continuar com um nível de dosagem menor.

Deve-se prestar atenção para a possibilidade de ocorrer uma síndrome de sobrecarga. Isso pode ocorrer como um resultado de condições metabólicas determinadas geneticamente que variam individualmente e podem ocorrer em proporções diferentes e após dosagens diferentes, dependendo de distúrbios prévios.

Aumento do fígado ( hepatomegalia ) com ou sem icterícia , aumento do baço ( esplenomegalia ), infiltração lipídica dos órgãos, parâmetros da função hepática patológica, anemia , redução da contagem de leucócitos (leucopenia), redução da contagem de plaquetas ( trombocitopenia ), uma tendência a hemorragias, alterações ou redução nos fatores de coagulação (tempo de sangramento, tempo de coagulação, tempo de protrombina, etc.), febre , hiperlipemia, cefaléia, dor de estômago e fadiga .

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos: Interações medicamentosas

Algumas drogas, como a insulina, podem interferir com o sistema lipase do organismo. Esse tipo de interação parece, contudo, ser de importância clínica limitada. A heparina administrada em dosagens clínicas causa uma liberação transitória de lipoproteína lipase na circulação.

Isso pode resultar inicialmente em lipólise aumentada no plasma seguido de um decréscimo transitório no clearance dos triglicerideos.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos: Precauções

Deve-se ter cautela em casos de osmolaridade sérica aumentada.

Como para todas as soluções de infusão de grande volume, Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos deve ser administrado com cautela em pacientes com deficiência cardíaca ou renal. Distúrbio de balanço de fluidos, de eletrólitos e ácido-base, por exemplo hiperidratação, hipercalemia, acidose, devem ser corrigidos antes do inicio da infusão. A infusão muito rápida pode conduzir a uma sobrecarga de fluidos com concentrações séricas patológicas de eletrólitos, hiperidratação e edema pulmonar.

A concentração sérica de triglicerídeos deve ser monitorada quando da infusão de Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos. Lipemia de jejum deve ser excluída em pacientes com suspeita de distúrbios, do metabolismo dos lipídeos antes do inicio da infusão. A administração de lipídeos é contraindicada se houver lipemia de jejum. A presença de hipertrigliceridemia 12 horas após a administração de lipídeos também indica a presença de um distúrbio do metabolismo dos lipídeos.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos deve ser administrado com cautela em pacientes com distúrbios do metabolismo dos lipídeos, por exemplo, insuficiência renal, diabetes mellitus, pancreatite , deficiência hepática, hipotireoidismo (com hipertrigliceridemia), e sepsis.

Se Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos é fornecido a pacientes nessas condições, o monitoramento rigoroso do nível sérico de triglicerídeos é obrigatório.

Qualquer sinal ou sintoma de reação anafilática (tal como febre, tremor, rash ou dispnéia) deve conduzir à interrupção imediata da infusão.

Dependendo das condições metabólicas do paciente, podem ocorrer ocasionalmente hipertrigliceridemia ou aumentos da concentração sangüínea da glicose. Se a concentração plasmática de triglicerídeos aumentar para uma faixa maior do que 3 mmol/L durante a administração de lipídeos, recomenda-se que a taxa de infusão seja reduzida.

Se a concentração plasmática de triglicerídeos permanecer em faixas acima de 3 mmol/L, a administração deve ser interrompida até que o nível normalize.

Uma redução da dose ou interrupção da administração é também indicada se a concentração sangüínea de glicose aumentar para faixas acima de 14 mmol/L (250 mg/dl) quando da administração de lipídeos.

Como com todas as soluções contendo carboidratos , a administração de Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos pode conduzir a hiperglicemia. O nível sangüíneo de glicose deve ser monitorado. Se houver hiperglicemia, a taxa de infusão deve ser reduzida ou deve se administrar insulina.

A infusão intravenosa de aminoácidos é acompanhada pela excreção urinária aumentada de elementos traços, especialmente cobre e, em particular, zinco . Isso deve ser considerado na dosagem de elementos traços, especialmente durante a nutrição intravenosa prolongada.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos não deve ser fornecido simultaneamente com sangue no mesmo equipo de infusão devido ao risco de pseudo-aglutinação.

O ionograma sérico, o balanço hídrico, os níveis séricos de glicose e o equilíbrio ácido-base devem ser monitorados.

O conteúdo de lipídeos pode interferir com certas análises laboratoriais (por exemplo, bilirrubina, lactato desidrogenase, saturação de oxigênio) se forem colhidas amostras de sangue antes dos lipídeos terem sido adequadamente retirados da corrente sanguínea.

Pode ser necessário, quando solicitado a substituição de eletrólitos, vitaminas e elementos traços.

Como Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos contém zinco e magnésio, deve-se ter cuidado quando o produto é administrado com soluções contendo esses elementos.

Como com todas as soluções intravenosas são necessárias precauções assépticas restritas para a infusão de Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos é uma preparação de composição complexa. Portanto, é aconselhável não adicionar outras soluções.

Não há uma dose diferenciada da recomendada para adultos. Porém, deve-se observar a velocidade de administração do produto e analisar as reações que possam ocorrer no paciente.

Estudos pré-clínicos não foram realizados com o Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos. O clínico deve considerar a relação risco/beneficio antes de administrar o Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos a uma mulher grávida.

A amamentação não é recomendada se a mulher necessita de nutrição parenteral nessa época.

Categoria de risco na gravidez: categoria C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos: Ação da substância no organismo

Características Farmacológicas

O produto Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos, envasado em bolsas de plástico flexível de tripla câmara, foi desenvolvido para proporcionar todos os ingredientes necessários para Nutrição Parenteral Total, porém evitando a possível interação entre os constituintes. A apresentação do produto envasado em bolsa de plástico flexível de câmara tripla, as quais estão conectadas através de um selo rompível, permitindo a administração simultânea de componentes em concentrações ideais para as necessidades humanas.

A separação física do conteúdo das câmaras evita a interação entre os componentes durante a esterilização e armazenamento. O envase em bolsa de plástico flexível de câmara tripla, permite uma mistura totalmente asséptica das soluções imediatamente antes da administração.

A composição de Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos contém todos os componentes necessários para o metabolismo no organismo, que vem em forma de aminoácidos, lipídeos, glicose e eletrólitos.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos contém 16 aminoácidos sintéticos em sua forma levogira metabolizada pelo organismo.

A formulação se baseia na composição da proteína do ovo, ou seja, 45,5% de aminoácidos essenciais e 20,2% de cadeia ramificada.

Além dos 8 aminoácidos essenciais, Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos contém os aminoácidos semi-essenciais histidina e glicina , indispensáveis para pacientes com uremia e hiperamonemia.

Os seis aminoácidos restantes são não essenciais e proporcionam uma quantidade de nitrogênio suficiente para conseguir um estado de equilíbrio no organismo.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos contém glicose como fonte energética em Nutrição Parenteral, já que sua degradação leva a uma importante proporção de energia celular. A glicose também é indispensável para o metabolismo eritrocitário e cerebral.

Para que os aminoácidos em Nutrição Parenteral se utilizem de forma otimizada na síntese protéica, deve-se administrar simultaneamente calorias para conseguir uma relação energia/nitrogênio suficiente.

Ainda que as quantidades de eletrólitos necessários para o metabolismo dependam da situação clínica do paciente, se necessita de uma concentração básica mínima para os diversos processos metabólicos e enzimáticos.

Também intervém na coagulação.

Na maioria das Nutrições Parenterais Totais, existe o risco de hipofosfatemia, devido ao fato do cálcio e o fosfato que devem ser administrados conjuntamente, poderem formar complexos insolúveis durante a esterilização.

O envase em bolsa de plástico flexível de câmara tripla neste caso, apresenta a vantagem de permitir que estes dois íons permaneçam separados fisicamente até a ocasião da administração.

Devido a sua alta densidade energética, os lipídeos são uma eficiente forma de fornecimento de energia e supre o organismo com ácidos graxos essenciais para a síntese dos componentes celulares e prostaglandinas. Por esse motivo, a emulsão de lipídeos contém triglicerídeos de cadeia média e de cadeia longa (óleo de soja).

Os triglicerídeos de cadeia média são mais rapidamente hidrolisados, eliminados da circulação e oxidados completamente do que os triglicerídeos de cadeia longa. Eles são fonte de energia de escolha, particularmente quando há um distúrbio de degradação e/ou, utilização de triglicerídeos de cadeia longa, por exemplo, quando há uma deficiência de lipoproteína lipase, deficiências nos co-fatores da lipoproteína lipase.

Os ácidos graxos insaturados são fornecidos somente através de triglicerídeos de cadeia longa, que por conseguinte, servem principalmente para a profilaxia e tratamento com ácidos graxos essenciais e somente depois como fonte de energia.

Poliaminoácidos + Glicose + Emulsão Lipídica + Eletrólitos: Interacao com alimentos

O óleo de soja possui um teor de vitamina K 1 . Isso pode interferir com o efeito terapêutico dos derivados da cumarina que deve ser monitorado rigorosamente em pacientes tratados com tais drogas.

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.