Lidocaína + PrilocaínaBula do Princípio Ativo

Lidocaína + Prilocaína - Para que serve?

Lidocaína + Prilocaína: Contraindicação de uso

Lidocaína + Prilocaína é contraindicado a pacientes com hipersensibilidade conhecida a Lidocaína + Prilocaína aos outros componentes da fórmula ou a anestésicos locais do tipo amida, e a pacientes com metahemoglobinemia congênita ou idiopática.

Lidocaína + Prilocaína: Posologia e como usar

Via de administração: aplicação tópica sobre mucosa e pele.

Posologia do Lidocaína + Prilocaína

Local

Aplicação

Pele

Uma camada espessa de creme sobre a pele, sob uma bandagem oclusiva

Aproximadamente 1,5 g/10 cm 2

Procedimentos dérmicos em grandes áreas, em ambiente hospitalar, como enxerto de pele

2 g (aproximadamente metade de um tubo de 5g), por no mínimo 1 hora, máximo de 5 horas (1)

Aproximadamente 1,5-2 g/10 cm 2 por no mínimo 2 horas, máximo de 5 horas (1)

Crianças

Aproximadamente 1,0 g/10 cm 2 . Tempo de aplicação: aproximadamente 1 hora

0 a 2 meses (3)

Até 1,0 g e 10 cm 2 (2)

3 a 11 meses (3)

Até 2,0 g e 20 cm 2 (4)

1 a 5 anos

Até 10,0 g e 100 cm 2 por no mínimo de 1 hora, máximo de 5 horas (1)

6 a 11 anos

Até 20,0 g e 200 cm 2 por no mínimo 1 hora, máximo de 5 horas (1)

Crianças com dermatite atópica

Tempo de aplicação: 30 minutos

Mucosa genital

Aproximadamente 5-10 g de Lidocaína + Prilocaína por 5- 10 minutos (1) (6) . Não é necessária bandagem oclusiva. Começar procedimento imediatamente após remoção

Curetagem cervical

10 g lateralmente ao colo uterino por 10 minutos

Pele da genitália masculina

Aplicar uma camada espessa de Lidocaína + Prilocaína (1 g/10 cm 2 ) sob bandagem oclusiva por 15 minutos

Pele da genitália feminina

Aplicar uma camada espessa de Lidocaína + Prilocaína (1- 2 g/10 cm 2 ) sob bandagem oclusiva por 60 minutos

Úlcera na perna

Aplicar uma camada espessa do creme, aproximadamente 1-2 g/10 cm 2 até um total de 10 g na(s) úlcera(s) da perna (5) (6) . Cobrir com bandagem oclusiva. Tempo de aplicação: pelo menos 30 minutos. Até 60 minutos, pode melhorar a efetividade da anestesia. A limpeza deve começar sem demora após a remoção do creme

(1) Após um período de aplicação maior a anestesia diminui.
(2) Períodos de aplicação superiores a 1 hora não foram documentados.
(3) Até que novos dados estejam disponíveis, Lidocaína + Prilocaína não deve ser usado em crianças com idades entre 0 e 12 meses recebendo tratamento com substâncias indutoras de metahemoglobina.
(4) Nenhum aumento clínicamente significativo dos níveis da metahemoglobina foi observado após um tempo de aplicação de até 4 horas em 16 cm 2 .
(5) Lidocaína + Prilocaína foi usado para o tratamento de úlceras na perna por até 15 vezes em um período de 1 a 2 meses sem perda da eficácia ou aumento das reações locais.
(6) A aplicação de uma dose superior a 10 g não foi estudada com relação aos níveis plasmáticos.
(7) Na pele da genitália de mulheres, quando Lidocaína + Prilocaína é aplicado sozinho por 60 a 90 minutos, não promove anestesia suficiente para termocauterização ou diatermia de verrugas genitais.

Devem ser tomados cuidados quando se aplica Lidocaína + Prilocaína em pacientes com dermatite atópica. Pode ser suficiente um menor tempo de aplicação (15 a 30 minutos).

Lidocaína + Prilocaína não deve ser aplicado em mucosa genital em crianças devido à insuficiência de dados quanto à absorção. No entanto, quando usado em recém-nascidos para circuncisão, a dose de 1,0 g de Lidocaína + Prilocaína no prepúcio provou ser segura.

Não há recomendações especiais relacionadas a essa faixa etária.

Lidocaína + Prilocaína - Reações Adversas

Eventos comuns (≥1/100 a <1/10)

Pele: reações locais passageiras no local da aplicação, como palidez, eritema (vermelhidão) e edema

Eventos incomuns (≥1/1.000 a <1/100)

Pele: sensações na pele, como uma leve sensação inicial de queimação ou prurido no local da aplicação

Eventos raros (≥1/10.000 a <1/1.000)

Geral: metahemoglobinemia. Foram relatados casos raros de discretas lesões no local de aplicação, descritas como púrpura ou petéquia, especialmente após longos períodos de aplicação em crianças com dermatite atópica ou molusco contagioso . Irritação da córnea após exposição acidental dos olhos. Em raros casos, preparações de anestésicos locais têm sido associadas a reações alérgicas (na forma mais grave, choque anafilático)
Aumento dos níveis de metahemoglobina

Eventos comuns (≥1/100 a <1/10)

Local de aplicação: reações locais passageiras tais como eritema (vermelhidão), edema e palidez
Sensações locais: uma sensação inicial, geralmente leve, de queimação, prurido ou calor no local da aplicação

Eventos incomuns (≥1/1.000 a <1/100)

Local de aplicação: parestesia local tal como formigamento

Eventos raros (≥1/10.000 a <1/1.000)

Geral: em raros casos, preparações de anestésicos locais têm sido associadas a reações alérgicas (na forma mais grave, choque anafilático)

Eventos comuns (≥1/100 a <1/10)

Pele: reações locais passageiras no local da aplicação, como palidez, eritema (vermelhidão) e edema
Sensações locais: uma sensação inicial, geralmente leve, de queimação, prurido ou calor no local da aplicação

Eventos incomuns (≥1/1.000 a <1/100)

Pele: irritação da pele no local da aplicação

Eventos raros (≥1/10.000 a <1/1.000)

Geral: em raros casos, preparações de anestésicos locais têm sido associadas a reações alérgicas (na forma mais grave, choque anafilático)

Em caso de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Lidocaína + Prilocaína: Interações medicamentosas

A prilocaína, em altas doses, pode causar um aumento nos níveis de metahemoglobina, particularmente em pacientes medicados com outras drogas que induzam metahemoglobinemia, como as sulfonamidas, paracetamol (quando em uso crônico), cloroquina, dapsona , nitratos e nitritos incluindo nitrofurantoína , nitroglicerina e nitroprussiato, ácido para-aminosalicílico, fenobarbital , fenitoína , primaquina, acetanilida, corante de anilina.

Lidocaína + Prilocaína deve ser usado com precaução em pacientes recebendo drogas antiarrítmicas classe I (tais como tocainida e mexiletina), uma vez que os efeitos tóxicos são aditivos.

Com altas doses de Lidocaína + Prilocaína, deve-se considerar o risco de ocorrer efeito tóxico sistêmico adicional em pacientes que receberam outros anestésicos locais ou substâncias estruturalmente relacionadas, uma vez que os efeitos tóxicos são aditivos.

Estudos específicos de interação com Lidocaína + Prilocaína e drogas anti-arrítmicas classe III (ex.: amiodarona ) não foram realizadose portanto, é recomendada cautela durante o uso concomitante destes medicamentos.

Os medicamento que reduzem a depuração da lidocaína (por exemplo cimetidina ou betabloqueadores) podem causar concentrações plasmáticas potencialmente tóxicas, quando a lidocaína é administrada em altas doses repetidas por um longo período de tempo. Tais interações não devem ter importância clínica para tratamento a curto prazo com lidocaína (por exemplo, Lidocaína + Prilocaína) nas doses recomendadas.

Lidocaína + Prilocaína: Precauções

Pacientes com deficiência em glucose-6-fosfato desidrogenase ou metahemoglobinemia congênita ou idiopática são mais suscetíveis à metahemoglobinemia induzida por medicamentos.

Devido a dados insuficientes de absorção, Lidocaína + Prilocaína não deve ser aplicado em feridas abertas que não sejam de úlceras na perna.

Não foi possível demonstrar a eficácia de Lidocaína + Prilocaína para lancetagem do calcanhar em recém-nascidos.

Devem ser tomados cuidados quando se aplica Lidocaína + Prilocaína em pacientes com dermatite atópica. Pode ser suficiente um menor tempo de aplicação (15 a 30 minutos). Antes da curetagem de moluscos em crianças com dermatite atópica, é recomendado um tempo de aplicação de 30 minutos.

Lidocaína + Prilocaína não deve ser aplicado em mucosa genital em crianças devido à insuficiência de dados quanto à absorção. No entanto, quando usado em recém-nascidos para circuncisão, a dose de 1,0 g de Lidocaína + Prilocaína no prepúcio provou ser segura.

Deve-se ter cuidado para não ocorrer contato de Lidocaína + Prilocaína com os olhos, pois Lidocaína + Prilocaína pode causar irritação ocular. A perda de reflexos protetores também pode permitir uma irritação da córnea e potencial abrasão. Se ocorrer contato com os olhos, enxaguar imediatamente os olhos com água ou solução de cloreto de sódio e protegê-los até o retorno da sensibilidade.

Lidocaína + Prilocaína não deve ser aplicado em membrana timpânica rompida. Testes realizados com animais de laboratório (cobaias) demonstraram que Lidocaína + Prilocaína possui efeito ototóxico quando instilado no ouvido médio. Nesses mesmos estudos, não foram verificadas anormalidades quando Lidocaína + Prilocaína foi aplicado no canal auditivo externo de animais com membrana timpânica íntegra. Não existem dados suficientes com relação ao efeito ototóxico potencial em humanos. Portanto, Lidocaína + Prilocaína não deve ser recomendado em qualquer situação clínica que possibilite a penetração ou migração do creme no ouvido médio.

Uma notável reação de irritação foi observada depois de uma única administração ocular de uma emulsão de 50 mg/g de Lidocaína + Prilocaína 1:1 (p/p), em um estudo em animais. Esta é a mesma concentração de anestésicos locais e uma formulação similar a Lidocaína + Prilocaína. Esta reação ocular pode ter sido influenciada pelo pH alto da formulação da emulsão (aproximadamente 9), mas provavelmente também é em parte um resultado do potencial irritante próprio dos anestésicos locais.

Em crianças e recém-nascidos menores que 3 meses de idade comumente é observado um aumento transitório, clinicamente insignificante, nos níveis de metahemoglobina até 12 horas após a aplicação de Lidocaína + Prilocaína.

Pacientes tratados com medicamentos antiarrítmicos classe III (ex. amiodarona) devem ser cuidadosamente observados e monitorização ECG deve ser considerada já que os efeitos cardíacos podem ser aditivos.

Tanto a Lidocaína + Prilocaína possuem propriedades bactericidas e antivirais em concentrações superiores a 0,5–2%. Por este motivo, apesar de um estudo clínico sugerir que a resposta imune não é afetada pelo uso de Lidocaína + Prilocaína antes da vacinação de BCG, os resultados da injeção intracutânea de vacinas vivas devem ser monitorados.

Lidocaína + Prilocaína não afeta a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas nas doses recomendadas.

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Estudos em animais não indicaram efeitos nocivos diretos ou indiretos durante a gravidez, no desenvolvimento embrionário/fetal, no parto ou no desenvolvimento pós-natal.

Tanto em animais quanto em humanos, a Lidocaína + Prilocaína atravessam a barreira placentária e podem ser absorvidas pelos tecidos fetais. É razoável presumir que Lidocaína + Prilocaína tenham sido usadas em um grande número de mulheres grávidas e em idade fértil.

Não foram relatados distúrbios específicos no processo reprodutivo, tais como aumento de incidência de más-formações ou outros efeitos nocivos diretos ou indiretos no feto. Contudo, deve-se ter cuidado quando usado em mulheres grávidas.

A lidocaína, e provavelmente a prilocaína, são excretadas pelo leite materno, porém em pequenas quantidades, sendo improvável que a criança seja afetada em doses terapêuticas.

Lidocaína + Prilocaína: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

Após 5-10 minutos da aplicação de Lidocaína + Prilocaína na mucosa genital feminina, a duração média da analgesia efetiva a estímulos provocados pelo uso de laser de argônio, que produz dor aguda e picante foi de 15-20 minutos (variação individual na faixa de 5-45 minutos). 1

Lidocaína + Prilocaína reduz a dor pós-operatória por até 4 horas após o debridamento. 2

Lidocaína + Prilocaína facilita a penetração da agulha quando comparado com o creme placebo, independente da resposta vascular. 3-10

Estudo duplo-cego controlado com placebo e Lidocaína + Prilocaína foi realizado em 60 crianças (6 a 15 anos de idade). As crianças foram divididas em dois grupos homogêneos; 5 crianças de cada grupo receberam pré-medicação. Após aplicação (aproximadamente 60 minutos) de placebo ou Lidocaína + Prilocaína, foi feita uma punção venosa no dorso da mão esquerda. Dos pacientes tratados com Lidocaína + Prilocaína, 19 relataram não sentir dor durante inserção de cânulas e 10 relataram presença de dor leve a moderada. Os valores correspondentes para o grupo de placebo foram 3 e 18, respectivamente. A diferença entre os grupos foi estatisticamente significante (p < 0,001). De acordo com a observação do enfermeiro, não foi demonstrada nenhuma diferença na resposta relacionada ao sexo da criança. Em uma das crianças tratadas com Lidocaína + Prilocaína, foi relatado caso de erupção cutânea local com menos de 6 horas de duração. 11

Estudo duplo-cego cruzado com Lidocaína + Prilocaína e placebo em 31 adultos (18 a 48 anos de idade) foi realizado para avaliar a dor em repetidos procedimentos de coleta de amostragem sanguínea, principalmente na fossa decubital. O número médio de procedimentos de amostragem por pessoa que utilizou Lidocaína + Prilocaína foi de 5 (2-5 procedimentos) e 3 que utilizou placebo (1-3 procedimentos). A redução média da dor (100 mm em escala analógica visual) de Lidocaína + Prilocaína comparado com placebo foi de 78%, uma diferença altamente significante (p < 0,001).12 Vários procedimentos cirúrgicos com anestesia tópica foram conduzidos com Lidocaína + Prilocaína, como único tratamento de dor.

Indicação

Efeito

Remoção de moluscos

Sem dor

Contagiosos

-

Punção venosa em crianças

Sem dor

Cirurgia epidermal

Sem dor

Remoção de tatuagem

Sem dor

Úlcera dolorosa

Sem dor

Biópsia de pele

Dor profunda na derme e no tecido subcutâneo

Foi estudada, a analgesia tópica repetida com Lidocaína + Prilocaína antes da limpeza de úlceras venosas de perna. Os pacientes foram aleatoriamente alocados para uma série de 8 tratamentos com Lidocaína + Prilocaína (n = 22) ou para um grupo controle (n = 21). Uma camada espessa de creme foi aplicada nas úlceras por 30 minutos. Em cada um dos 8 tratamentos, foram avaliadas as reações locais em uma escala de 4 pontos e a dor à limpeza da úlcera de acordo com uma escala analógica visual. No primeiro e no último tratamento foi coletada uma amostra para cultura bacteriana, determinada a área da úlcera e avaliada a quantidade de tecido morto, em degeneração e de granulação. O tratamento com Lidocaína + Prilocaína aplicado por 30 minutos diminuiu significativamente a dor à limpeza das úlceras de perna e a frequência da dor após a sua limpeza. O efeito analgésico permaneceu inalterado com tratamentos sucessivos. O tratamento repetido com Lidocaína + Prilocaína em úlceras de perna parece estar seguro, como indicado pela ausência de qualquer evento desfavorável sério. Não foram observadas diferenças estatisticamente significantes em reações locais ou efeitos adversos no tecido de granulação, na área de úlcera ou flora bacteriana em pacientes tratados com Lidocaína + Prilocaína comparados com pacientes de controle. 14

Características Farmacológicas

Lidocaína + Prilocaína é uma emulsão óleo/água de Lidocaína + Prilocaína na proporção de 1:1.

Lidocaína + Prilocaína na concentração de 5% provoca anestesia dérmica através da liberação de Lidocaína + Prilocaína do creme nas camadas da derme e epiderme da pele e o acúmulo de Lidocaína + Prilocaína nas proximidades dos receptores da dor na derme e nas terminações nervosas. A lidocaína e a prilocaína são anestésicos locais do tipo amida. Ambos estabilizam a membrana neuronal através da inibição do fluxo requerido para o início e condução dos impulsos nervosos, produzindo anestesia local.

A qualidade da anestesia depende do tempo de aplicação e da dose.

Lidocaína + Prilocaína é aplicado na pele íntegra sob uma bandagem oclusiva. O tempo necessário para atingir a anestesia na pele íntegra é de 1 a 2 horas, dependendo do tipo de procedimento.

Em estudos clínicos de Lidocaína + Prilocaína na pele íntegra, não foi observada diferença na segurança ou eficácia (incluindo o tempo para o início da anestesia) entre pacientes geriátricos (idade entre 65 e 96 anos) e pacientes mais jovens.

A duração da anestesia após a aplicação de Lidocaína + Prilocaína por 1 a 2 horas é de no mínimo 2 horas após a retirada da bandagem oclusiva.

A profundidade da anestesia cutânea aumenta com o tempo de aplicação. Em 90% dos pacientes a anestesia é suficiente para a inserção de uma agulha de biópsia (4 mm de diâmetro) para uma profundidade de 2 mm após 60 minutos e 3 mm após 120 minutos de aplicação de Lidocaína + Prilocaína. Lidocaína + Prilocaína é igualmente efetivo e tem o mesmo tempo para o início da anestesia para todas as pigmentações de pele (clara até escura).

O uso de Lidocaína + Prilocaína antes de vacina de sarampo-caxumba-rubéola ou de vacina intramuscular de difiteria-coqueluche-tétano-polivírus inativado- Haemophilus influenzae b ou Hepatite B não afeta o título médio de anticorpos , taxa de seroconversão, ou a proporção de pacientes que alcançam título de anticorpos pós-imunização protetor ou positivo, quando comparado com pacientes tratados com placebo.

A absorção pela mucosa genital é mais rápida e o início da ação é menor do que quando comparado à aplicação na pele.

Na maioria dos pacientes, os efeitos anestésicos são atingidos após 30 minutos da aplicação para efetuar a limpeza das úlceras de perna. Uma aplicação de 60 minutos pode intensificar a anestesia. O procedimento de limpeza deve ser iniciado após 10 minutos da remoção do creme. Dados clínicos para períodos maiores de espera não estão disponíveis Lidocaína + Prilocaína reduz o número de sessões de limpeza requeridas para alcançar uma úlcera limpa comparado com debridamento do creme placebo. Não foram observados efeitos negativos nas cicatrização das úlceras ou na flora bacteriana.

Lidocaína + Prilocaína produz uma resposta vascular bifásica envolvendo uma vasoconstrição inicial seguida por uma vasodilatação no local de aplicação.

Em pacientes com demartite atópica, efeitos vasculares similares, mas com reações de menor intensidade, foram observados, com o aparecimento de eritema após 30 a 60 minutos, indicando uma absorção mais rápida através da pele.

A absorção sistêmica da Lidocaína + Prilocaína depende da dose utilizada, da área e do tempo de aplicação. Fatores adicionais incluem a espessura da pele (que varia em diferentes áreas do corpo), outras condições como doenças de pele e depilação . Para a aplicação em úlceras de perna, as características das úlceras também podem afetar a absorção.

Foi verificado que após aplicação na coxa de adultos (60 g de creme sobre 400 cm 2 por 3 horas), a extensão da absorção foi de aproximadamente 5% de Lidocaína + Prilocaína. A concentração máxima no plasma (média de 0,12 e 0,07 mcg/ml) foi atingida em aproximadamente 2 a 6 horas da aplicação.

A extensão da absorção sistêmica foi de aproximadamente 10 % após a aplicação na face (10 g sobre 100 cm 2 por 2 horas). Os níveis plasmáticos máximos (média de 0,16 e 0,06 mcg/ml) foram atingidos em aproximadamente 1,5 a 3 horas.

Os níveis plasmáticos de Lidocaína + Prilocaína em pacientes geriátricos e não-geriátricos, após a aplicação de Lidocaína + Prilocaína na pele íntegra, são muito baixos e bem inferiores aos níveis potencialmente tóxicos.

Após aplicação de 1,0 g de Lidocaína + Prilocaína em recém-nascidos, com idade inferior a 3 meses, sobre aproximadamente 10 cm 2 por uma hora, as concentrações plasmáticas máximas de Lidocaína + Prilocaína foram de 0,135 mcg/ml e 0,107 mcg/ml, respectivamente.

Após aplicação de 2,0 g de Lidocaína + Prilocaína em crianças entre 3 e 12 meses de idade, em aproximadamente 16 cm 2 por 4 horas, as concentrações plasmáticas máximas de Lidocaína + Prilocaína foram de 0,155 mcg/ml e 0,131 mcg/ml, respectivamente. Após aplicação de 10,0 g de Lidocaína + Prilocaína em crianças entre 2 e 3 anos de idade, em aproximadamente 100 cm 2 por 2 horas, as concentrações plasmáticas máximas de Lidocaína + Prilocaína foram de 0,315 mcg/ml e 0,215 mcg/ml, respectivamente. Após aplicação de 10,0 a 16,0 g de Lidocaína + Prilocaína em crianças entre 6 e 8 anos de idade, em aproximadamente 100 a 160 cm 2 por 2 horas, as concentrações plasmáticas máximas de Lidocaína + Prilocaína foram de 0,299 mcg/ml e 0,110 mcg/ml, respectivamente.

Após a aplicação de 10 g de Lidocaína + Prilocaína por 10 minutos na mucosa vaginal, os níveis plasmáticos máximos de Lidocaína + Prilocaína (média 0,18 mcg/ml e 0,15 mcg/ml, respectivamente) foram alcançados após 20 a 45 minutos.

Após uma única aplicação de 5 a 10 g de Lidocaína + Prilocaína em úlceras de perna por 30 minutos em uma área de 64 cm 2 , os níveis plasmáticos máximos de lidocaína (variação entre 0,05 a 0,25 mcg/ml, um valor individual de 0,84 mcg/ml) e de prilocaína (0,02-0,08 mcg/ml) foram atingidos dentro de 1 a 2,5 horas.

Após um tempo de aplicação de 24 horas nas úlceras da perna, em uma área de 50 a 100 cm 2 , os níveis plasmáticos de lidocaína (0,19-0,71 mcg/ml) e de prilocaína (0,06-0,28 mcg/ml) foram geralmente atingidos dentro de 2 a 4 horas.

Após aplicações repetidas de 2-10 g de Lidocaína + Prilocaína nas úlceras da perna, em uma área de 62 cm 2 por 30 a 60 minutos, 3 a 7 vezes por semana, até 15 doses no período de um mês, não houve acúmulo aparente de lidocaína no plasma e de seus metabólitos, monoglicinexilidida e 2,6-xilidina, ou de prilocaína e seu metabólito orto-toluidina. Os níveis máximos observados no plasma para lidocaína, monoglicinexilidida e 2,6-xilidina foram 0,41, 0,03 e 0,01 mcg/ml, respectivamente. Os níveis máximos observados no plasma para prilocaína e orto-toluidina foram 0,08 mcg/ml e 0,01 mcg/ml, respectivamente.

A lidocaína e a prilocaína foram extensivamente usadas durante muitos anos e sua situação terapêutica é muito bem conhecida. Estudos pré-clínicos levaram Lidocaína + Prilocaína a uma mistura de lidocaína HCl e prilocaína HCl que não mostraram qualquer perigo quando estas duas combinações de teste foram combinadas.

A toxicidade observada nos estudos em animais, após doses altas de lidocaína ou prilocaína, individual ou em combinação, consistiu em efeitos nos Sistemas Nervoso Central e Cardiovascular.

Quando a lidocaína e a prilocaína foram combinadas, foram vistos apenas efeitos aditivos, sem indicação de sinergismo ou toxicidade inesperada. Ambos os fármacos mostraram ter uma baixa toxicidade aguda oral, tendo uma boa margem de segurança quando Lidocaína + Prilocaína é inadvertidamente engolido. Nenhum efeito adverso relacionado à droga foi observado nos estudos de toxicidade de reprodução, usando os compostos separadamente ou em combinação.

Nenhum dos anestésicos locais mostraram potencial de mutagenicidade em testes in vitro ou in vivo . Não foram realizados estudos de carcinogenicidade com lidocaína ou prilocaína separadamente ou em combinação, devido à indicação e duração de uso terapêutico destes fármacos.

Um metabólito da lidocaína, a 2,6-dimetilanilina, e um metabolito da prilocaína, a o-toluidina, mostraram evidência de atividade mutagênica. Esses metabolitos mostraram ter o potencial de carcinogenicidade em estudos toxicológicos pré-clínicos de avaliação à exposição crônica.

As avaliações de risco comparando a exposição humana máxima calculada do uso intermitente de Lidocaína + Prilocaína, com a exposição usada em estudos pré-clínicos indicam uma larga margem de segurança para uso clínico.

Estudos de tolerância local usando uma mistura 1:1 (p/p) de Lidocaína + Prilocaína como uma emulsão, creme ou gel indicaram que estas formulações são bem toleradas pela pele íntegra e danificada, e por membranas mucosas.

Uma notável reação de irritação foi observada depois de uma única administração ocular de uma emulsão de 50 mg/g de Lidocaína + Prilocaína 1:1 (p/p), em um estudo em animais. Esta é a mesma concentração de anestésicos locais e uma formulação similar a Lidocaína + Prilocaína. Esta reação ocular pode ter sido influenciada pelo pH alto da formulação da emulsão (aproximadamente 9), mas provavelmente também é em parte um resultado do potencial irritante próprio dos anestésicos locais.

Fonte do conteúdo

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Emla ® Creme.

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.