Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de SódioBula do Princípio Ativo

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio - Para que serve?

Este medicamento é destinado ao tratamento tônico-recalcificante.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio: Contraindicação de uso

Fosfato de cálcio tribásico + Fluoreto de sódio é contraindicado nos seguintes casos: pacientes com hipercalcemia; pacientes que apresentem hipersensibilidade a qualquer componente da formulação; em pacientes com fluorose declarada ou que utilizam outros produtos que contenham flúor.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio: Posologia e como usar

Recomenda-se administrar o produto antes das refeições.

Agitar o frasco e administrar a suspensão por via oral.

O medicamento pode ser interrompido a qualquer momento.

% IDR*

Adultos

Cálcio

23

Flúor

68

*IDR = Ingestão Diária Recomendada.

2 colheres de sopa (15 mL cada), 2 vezes ao dia, antes das refeições.

1 colher de sopa (15 mL cada), 3 vezes ao dia, antes das refeições.

Não há estudos dos efeitos de Fosfato de cálcio tribásico + Fluoreto de sódio administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para garantir a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio - Reações Adversas

Podem ocorrer reações desagradáveis, tais como: hipercalcemia, constipação , náusea, vômito , diarreia .

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio: Superdose

Em caso de superdose (com sintomas de salivação, náusea e dor abdominal), deve ser instituído tratamento sintomático e de suporte.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio: Interações medicamentosas

Sais de alumínio e magnésio podem diminuir a absorção do flúor. Pacientes que utilizam medicamentos bisfosfonatos devem esperar meia hora para ingerir Fosfato de cálcio tribásico + Fluoreto de sódio.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio: Precauções

Deve-se ter cautela na administração de Fosfato de cálcio tribásico + Fluoreto de sódio a pacientes que fazem uso de glicosídeos cardiotônicos, devido ao risco de precipitação de arritmias ou pacientes que apresentem prejuízo da função renal. Embora não haja referências de casos de superdosagem, o medicamento deve ser administrado com cuidado às populações onde a concentração de flúor na água for maior do que 0,7 p.p.m., devido ao risco de fluorose e eventuais manchas dentárias.

Categoria de risco na gravidez: C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

Não há advertências e recomendações especiais sobre o uso adequado desse medicamento por pacientes idosos.

Fosfato de Cálcio Tribásico + Fluoreto de Sódio: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

Estudos do balanço de cálcio e fósforo e turnover do 47 Ca foram realizados antes e depois de 12-27 meses de tratamento diário com fluoreto de sódio (60 mg), cálcio (30-45 mmol), fosfato (29-44 mmol), e vitamina D2 (18,000 IU) em 20 mulheres na pós-menopausa com fratura compressiva de coluna decorrente de osteoporose 1 . Antes do tratamento a média do balanço de cálcio (-1,6 mmol Ca/dia) era negativa (P < 0,05), enquanto a média do balanço de fósforo (-1,6 mmol P/dia) não diferia de zero (P > 0,10). O tratamento induziu aumento na absorção de cálcio (P <0,01) com excreção renal inalterada e perda cutânea de cálcio e um aumento (P < 0,02) no balanço de cálcio, que se tornou positivo (P< 0,01) (+3,3 mmol Ca/dia). Este aumento no balanço de cálcio foi obtido através dos efeitos combinados de um aumento (P < 0,05) na taxa de mineralização óssea e uma diminuição (P <0,05) na taxa de reabsorção óssea. O aumento observado na absorção livre de fósforo (P <0,001) foi mais pronunciado que o aumento na excreção renal de fósforo (P < 0,001) e, portanto, o balanço de fósforo aumentou (P <0,001) e tornou-se positivo (P< 0,001). Foi observada correlação positiva entre a absorção livre de cálcio e fósforo (r = 0,065; (P < 0,001) em 32 estudos em que os dados de balanço de cálcio e fósforo estavam disponíveis para ambos. Além disso, foi encontrada correlação positiva (r = 0,61; P <0,05) entre as alterações na absorção livre de cálcio e fósforo durante o tratamento. Os resultados indicam que o tratamento combinado com fluoreto de sódio, cálcio, fosfato e vitamina D 2 induz a um balanço positivo de cálcio e fósforo em mulheres na pós-menopausa com osteoporose.

Trinta e quatro casos de fratura cominutiva do platô tibial que receberam tratamento do Departamento de Ortopedia , Minhang Hospital of Ruijin Hospital Groups, da Universidade de Shangai Jao Tong de Janeiro de 2004 a Janeiro de 2007 foram estudados, incluindo 19 homens, 15 mulheres, com idade entre 24 e 65 anos 2 . De acordo com a classificação de fratura de Schatzker: 7 casos com tipo II, 12 casos com tipo III, 6 casos com tipo IV, 6 casos com tipo V, e 3 casos com tipo VI. Todos os casos foram tratados com redução com fio de Kirschner, enxerto ósseo esponjoso, e cirurgia com fixação de placas. Todos os pacientes foram incluídos em um acompanhamento de 12 a 18 meses. Os fragmentos articulares colapsados foram anatomicamente reduzidos. O fosfato tricálcico foi substituído por aposição óssea autógena sem recolapso da superfície articular, rejeição ou infecção ocorreram aos 3-6 meses após a cirurgia. Quando a fixação interna foi removida, as manifestações histológicas mostraram que o fosfato tricálcico estava parcialmente dissolvido, envolto com osteoblasto em matriz óssea e formação trabecular recente, com cavidades medulares observadas no espaço intertrabecular. O fosfato tricálcico apresentou boa biocompatibilidade e efeito de condução óssea. Os resultados de imagem e histológicos mostram que o efeito de degradação biológica do fosfato tricálcico é sincronizado com a reconstrução do tecido ósseo.

Características Farmacológicas

A fisiologia do metabolismo do cálcio e do flúor está bem determinada, bem como seus efeitos terapêuticos e tóxicos.

Por ser uma coletânea de cálcio, frequentemente é descrito como fosfato tricálcico ou fosfato de cálcio tribásico, na fórmula Ca 3 (PO 4 ) 2 .

O cálcio é pouco absorvido pelo tubo intestinal devido à relativa insolubilidade de muitos de seus compostos; 9/10 da ingestão diária são excretados nas fezes, o restante eliminado pela urina; no adulto, os valores normais ditos de renovação para o cálcio estão na cifra de 1000 mg/dia, de onde serão absorvidos 350 mg, porém secretados 250 mg pelos sucos gastrintestinais, restando um saldo de 100 mg de absorção efetiva.

Além da atuação sobre o metabolismo ósseo, também atua na sua remodelação (relação osteoblastos-osteoclastos), onde o esqueleto possui 99% do cálcio total do corpo; atua também no sistema neuromuscular (limiar de excitação e contração), cardiovascular (despolarização das fibras cardíacas) e outros (membrana celular, coagulação).

O fluoreto de sódio é absorvido pelo intestino (maior parte), pulmões e pele, sendo sua taxa de absorção em função de sua solubilidade.

Dessa maneira, tem sido detectado em todos os órgãos e tecidos e se concentra no tecido ósseo (incluindo dentes), tireoideano, renal e aorta.

Sua excreção é principalmente renal, mas também através do intestino, suor e leite.

Suas ações farmacológicas, de acordo com as normas nacionais e internacionais que por sua vez giram em função da fluoretação da água variam de 0,25 a 1,0 mg/dia (respectivamente com a concentração na água de < 0,3 a 0,6), incluem a estimulação da formação óssea (através dos osteoblastos) e proteção dentária contra as cáries (deve-se levar em conta também que 2,2 mg de fluoreto de sódio equivale a 1 mg de flúor).

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.