Ferro Aminoácido Quelato + Ácido FólicoBula do Princípio Ativo

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico - Para que serve?

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico está indicado em todas as situações que exigem a administração do ferro e ácido fólico como medicação terapêutica. Inúmeras são as situações clínicas em que Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico pode ser prescrito, entre as quais destacamos algumas abaixo.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico: Contraindicação de uso

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico é contraindicado em pacientes que apresentam hipersensibilidade a qualquer componente da formulação, pacientes com deficiência da vitamina B12 , nas anemias não ferroprivas, particularmente aquelas caracterizadas por acúmulo ou incapacidade de utilização do ferro, tais como hemocromatose , anemia falciforme , anemia hemolítica , anemias sideroblásticas, anemias do chumbo, talassemia , anemias por tumores ou infecções (sem deficiência de ferro), anemias associadas à leucemia . Não se recomenda o ácido fólico no tratamento da anemia perniciosa , nem de outras anemias megaloblásticas secundárias a uma deficiência de vitamina B12, pois pode produzir uma remissão hematológica, sem interferir sobre as manifestações neurológicas que continuam evoluindo.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico: Posologia e como usar

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico não tem sua absorção prejudicada pela presença de alimentos, sendo inclusive recomendada sua administração próxima às refeições.

Posologia do Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico

1 comprimido revestido ao dia

Solução oral

10 mL/dia

Crianças

0,5 mL/Kg/dia

5 gotas/Kg/dia

As doses aqui indicadas poderão ser revistas pelo médico assistente na dependência da gravidade do quadro clínico.

Percentuais de IDR (Ingestão Diária Recomendada) de doses terapêuticas

Ácido Fólico

Quantidade por comprimido

5 mg

Adultos

2083%

Gestantes

1408%

Lactantes

1695%

*Teor percentual dos componentes na dose diária máxima preconizada, relativa a IDR (Ingestão Diária Recomendada) para adultos, segundo RDC nº 269/05.

Dose diária máxima de 1 comprimido.

Percentuais de IDR (Ingestão Diária Recomendada) de doses terapêuticas

Ácido Fólico

Quantidade por mL

0,5 mg

1 – 3 anos

3421%

4 – 6 anos

4237%

7 – 10 anos

3955%

* Percentual de IDR baseado na dose diária máxima de acordo com peso médio de cada faixa etária.

Adultos

2083%

Gestantes

1408%

Lactantes

1695%

**Teor percentual dos componentes na dose diária máxima preconizada, relativa a IDR (Ingestão Diária Recomendada) para adultos, segundo RDC nº 269/05.

Dose diária máxima de 10 mL.

Percentuais de IDR (Ingestão Diária Recomendada) de doses terapêuticas

Ácido Fólico

Quantidade por mL

0,2 mg

0 – 6 meses

625%

6 – 12 meses

937%

*Percentual de IDR baseado na dose diária máxima de acordo com peso médio de cada faixa etária.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico - Reações Adversas

Este medicamento é bem tolerado.

Sensação de plenitude, dores epigástricas, náuseas , constipação ou diarreia que são frequentemente observados com o uso dos sais ferrosos inorgânicos.

Reações de hipersensibilidade (sensação de calor, rubor, taquicardia, erupções cutâneas) ocorrendo quase que exclusivamente em indivíduos reconhecidamente alérgicos aos sais de ferro.

Gosto ruim na boca, perda de apetite, náuseas, distensão abdominal e flatulência .

Confusão.

Irritabilidade, perturbação no padrão de sono.

Eritema, prurido e/ou urticária , contudo, em poucos dias esses sintomas desaparecem com a suspensão do uso.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico: Interações medicamentosas

A ingestão excessiva de ferro e ácido fólico pode interferir com a absorção intestinal do zinco . As tetraciclinas têm sua absorção prejudicada pelos compostos ferrosos comuns. Embora ainda não se tenha nenhuma confirmação sobre este efeito com o ferro aminoácido quelato, é recomendável evitar a administração de Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico concomitantemente a este grupo de antibióticos . Pode ocorrer interferência no efeito terapêutico do ácido fólico quando há administração conjunta com corticosteroides, analgésicos , anticonvulsivantes, estrógenos, sulfonamidas, metotrexato , pirimetamina , triantereno, trimetoprima, carbamazepina e acetoaminofeno.

Pacientes que utilizam anticonvulsivantes, devem ter as doses de ácido fólico ajustadas pelo médico. A concentração plasmática de bilirrubina revela-se falsamente elevada; o cálcio plasmático falsamente diminuído; o exame de sangue oculto nas fezes torna-se dificultoso, pois o ferro escurece as fezes. Pode ocorrer o aparecimento de coloração amarelada na urina, porém sem significância clínica.

O ácido fólico pode interferir em diversos exames, entre eles a dosagem de açúcar, glicemia, glicosúria, transaminases, creatinina, desidrogenase lática, ácido úrico, bilirrubina e sangue oculto em fezes.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico: Precauções

Os compartimentos de reserva de ferro no organismo são saturados em curto espaço de tempo e com doses relativamente baixas com Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico quando comparados com as doses e tempos necessários com os sais comuns. Em casos de anemias mais severas é recomendável o controle destas reservas através dos níveis de ferritina sérica (cerca de 50mcg/L).

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico deve ser administrado com cautela na presença de alcoolismo , hepatite , infecções agudas e estados inflamatórios do trato gastrointestinal como enterite, colite ulcerativa, pancreatite e úlcera péptica. A ingestão excessiva de álcool, causando incremento do depósito hepático de ferro, aumenta a probabilidade de efeitos colaterais, quando em uso prolongado.

A administração do produto em pacientes submetidos a transfusões repetidas de sangue deve ser realizada sob rigoroso controle médico e observação do quadro sanguíneo, visto que a concomitância da aplicação de sangue com alto nível de ferro eritrocitário e sais de ferro por via oral pode resultar em sobrecarga férrica. Doses muito altas de ácido fólico podem precipitar convulsões em pacientes epilépticos tratados com fenitoína . Doses de ácido fólico acima de 100 µg/dia podem mascarar casos de anemia perniciosa (as características hematológicas normalizam, contudo, os danos neurológicos progridem.

Atenção diabéticos: A forma farmacêutica xarope gotas contém açúcar.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

Estudo realizado em adolescentes grávidas demonstrou que o uso de suplementos contendo ferro associado ao ácido fólico e ferro/ácido fólico/zinco reduziu a prevalência de anemias e de baixos valores nas concentrações plasmáticas destes componentes. (NOGUEIRA et al . Caderno de Saúde Pública, 19 (1) : 155-160, 2003).

O ácido fólico medicamentoso é conhecido também como ácido pteroilglutâmico. Difere essencialmente do ácido fólico alimentar, uma vez que está sob a forma monoglutamato, enquanto que o ácido fólico contido nos alimentos está sob a forma poliglutamato. Uma vez absorvido, o ácido fólico se transforma rapidamente na sua principal forma ativa, o ácido tetrahidrofólico, o qual é essencial para a eritropoiese normal e para a síntese de nucleoproteínas na multiplicação celular de todos os tecidos, já que o mesmo é indispensável à síntese do DNA.

A união do ácido fólico às proteínas é extensa; armazena-se, em grande proporção, no fígado (onde é metabolizado); sua eliminação é, basicamente, por via renal. A taxa de excreção é proporcional as doses administradas. Doses pequenas como 0,2 mg tem um aproveitamento biológico total. Doses elevadas, acima de 15mg, tem uma taxa de excreção que varia entre 50 e 90%.

Os minerais quelatos, de uma forma geral, não sofrem ionização no tubo gastrointestinal devido a sua estabilidade no pH ácido do estômago e no pH alcalino no intestino delgado. Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico, ao contrário dos outros produtos compostos por sais ferrosos, não tem sua absorção prejudicada por componentes da dieta como ftatos, oxalatos e fibras. O ferro quelato é absorvido como tal, ocupando sistemas enzimáticos da absorção preexistentes (gama-glutamil-transpeptidase). A ação enzimática sobre o ferro aminoácido quelato permite que este composto alcance o interior da célula e daí seja transferido para o sangue e distribuído para órgãos como medula óssea, baço, fígado e para as próprias hemácias. No fígado é armazenado como ferritina. A absorção do ferro quelato é 3 vezes superior a do sulfato ferroso .

A melhor absorção do Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico permite uma maior biodisponibilidade do ferro terapêutico e consequentemente uma maior rapidez na saturação das reservas orgânicas com menores doses de ferro quelato. Atinge-se este objetivo em 4 a 6 semanas de terapêutica (com o sulfato ferroso, estas reservas são saturadas em 4 a 6 meses de tratamento e com doses 3 a 4 vezes maiores).

O ferro é absorvido pela mucosa intestinal e fica disposto no seu interior sob duas formas uma mais estável, ligada à ferritina, e outra mais lábil que é mobilizada quando necessário. Parte do ferro ligado à ferritina pode ser utilizado na medula para a síntese de hemoglobina. Na gestante, o ferro é transportado pela transferrina materna, alcança as vilosidades placentárias onde é captado pelo epitélio coriônico e armazenado, para em seguida se ligar a transferrina do feto para ser utilizado na produção das hemácias.

O tratamento da anemia por deficiência de ferro e ácido fólico exige duas etapas para uma real eficiência terapêutica. Uma refere-se à multiplicação celular em nível de medula óssea, fato que ocorre quando há suprimento de ácido fólico para a duplicação do DNA. A outra se refere à incorporação do ferro à molécula da hemoglobina. Para tanto é necessário que este oligoelemento alcance os tecidos formadores dos glóbulos vermelhos em concentrações adequadas. O conhecimento destas necessidades exigia um medicamento no qual fosse possível associar estas duas substâncias.

A não dissociação iônica do ferro quelato permitiu elaborar um produto com ferro associado ao ácido fólico de alta estabilidade, bem tolerado pelo sabor agradável, de posologia bastante simplificada e resposta terapêutica com doses e intervalos de tempo inferiores aos exigidos pelos sais comuns. As anemias ferroprivas originadas tanto por baixa ingestão de ferro como por situações fisiológicas em que a demanda deste íon é excessiva, nem sempre, portanto, vão responder a simples administração de ferro, isto porque, muitas vezes, ela vai estar associada à deficiência também de ácido fólico.

Assim, crianças prematuras estão predispostas a desenvolver anemia ferropriva por não ter sido possível armazenar ferro devido à interrupção precoce da gravidez, mas por outro lado a necessidade de ácido fólico nestas crianças é extremamente elevada pela multiplicação celular que ocorre durante o crescimento. As gestantes e lactantes apresentam uma demanda excessiva tanto do ácido fólico como do ferro. Na gestação, o ácido fólico é importante na prevenção das malformações do tubo neural.

Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico: Interacao com alimentos

Ferro Aminoácido quelato + Ácido fólico não tem sua absorção prejudicada pela presença de alimentos, sendo inclusive recomendada sua administração próxima às refeições.

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.