Diflucortolona + IsoconazolBula do Princípio Ativo

Diflucortolona + Isoconazol - Para que serve?

Diflucortolona + Isoconazol é indicado para o tratamento inicial e temporário das infecções superficiais da pele causadas por fungos, acompanhadas por condições altamente inflamatórias ou eczematosas, como por exemplo, na região das mãos, nos espaços interdigitais dos pés e nas regiões inguinais e genitais.

Diflucortolona + Isoconazol: Contraindicação de uso

Diflucortolona + Isoconazol é contraindicado nos casos em que o paciente apresente, na área a ser tratada, processo sifilítico ou tuberculoso, doenças virais (por exemplo, varicela e herpes zoster), rosácea , dermatite perioral e reações de pele após vacinação.

Diflucortolona + Isoconazol também é contraindicado a pacientes que apresentam hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer um dos componentes da formulação.

Diflucortolona + Isoconazol: Posologia e como usar

O tratamento com Diflucortolona + Isoconazol deve ser interrompido após a regressão das condições inflamatórias ou eczematosas, não ultrapassando 2 semanas de tratamento. Após esse período, recomenda-se continuar o tratamento com uma preparação de antifúngico sem glicocorticoide. Isso se aplica particularmente para o uso nas regiões inguinais e genitais.

Nos casos de doses omitidas o paciente não deve tomar nenhuma ação e utilizar a próxima dose de acordo com o estabelecido pelo médico.

Posologia

Diflucortolona + Isoconazol creme deve ser aplicado 2 vezes ao dia na região afetada da pele, não ultrapassando 2 semanas de tratamento.

Diflucortolona + Isoconazol - Reações Adversas

Em estudos clínicos, as reações adversas mais frequentemente observadas foram irritação e queimação no local da aplicação.

Classificação por sistema corpóreo

Distúrbios gerais e condições no local da administração

Local da aplicação, irritação, queimação.

Local da aplicação, eritema, ressecamento.

Local da aplicação, prurido, vesículas.

Distúrbios cutâneos e nos tecidos subcutâneos

Estrias na pele.

Atrofia da pele, foliculite no local da aplicação, hipertricose , telangiectasia, dermatite perioral, despigmentação da pele, acne e/ou reações alérgicas da pele a qualquer um dos componentes da formulação. Efeitos sistêmicos devido à absorção podem ocorrer quando preparações tópicas contendo glicocorticoides são utilizadas.

Reações adversas em neonatos não podem ser excluídas se durante a gravidez ou amamentação as mães foram tratadas em áreas extensas ou por período prolongado de tempo. Um exemplo dessa reação é a redução da função adrenocortical, imunossupressão.

Atenção: Este produto é um medicamento que possui Nova Associação no País e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, notifique os eventos adversos pelo Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Diflucortolona + Isoconazol: Interações medicamentosas

Estudos de interações medicamentosas não foram realizados.

Diflucortolona + Isoconazol: Precauções

Nos casos de infecção da pele por bactérias é necessária a utilização de terapia específica.Quando Diflucortolona + Isoconazol for aplicado na face, não deixar o produto entrar em contato com os olhos.

As aplicações de glicocorticoides tópicos em áreas extensas do corpo ou por períodos prolongados de tempo, em particular sob oclusão, podem aumentar o risco de reações adversas sistêmicas.

Como é conhecido para os glicocorticoides sistêmicos, pode-se desenvolver glaucoma pelo uso local de glicocorticoides, por exemplo, após aplicação em áreas extensas ou de doses elevadas por período prolongado, sob técnicas de oclusão ou em aplicações na pele ao redor dos olhos.

O médico deverá informar aos pacientes sobre as medidas de higiene a serem seguidas durante o tratamento.

Se Diflucortolona + Isoconazol for aplicado nas regiões genitais, os excipientes petrolato liquido e parafina branca leve, podem causar danos em produtos de látex que atuam como método de barreira, como camisinhas e diafragmas, comprometendo assim sua eficácia.

Não existem dados sobre o uso de nitrato de isoconazol e valerato de diflucortolona em mulheres grávidas.

Estudos em animais (camundongos, ratos e coelhos) demonstraram toxicidade reprodutiva para o valerato de diflucortolona. Em geral, a utilização de preparações tópicas contendo glicocorticoides deve ser evitada durante o primeiro trimestre de gravidez. Em particular, o tratamento de áreas extensas, o uso prolongado ou uso de curativos oclusivos devem ser evitados durante a gravidez.

Estudos epidemiológicos sugerem que é possível existir um risco aumentado de fendas palatinas entre os neonatos de mulheres tratadas com glicocorticoides durante o primeiro trimestre de gravidez.

A indicação clínica para o tratamento com Diflucortolona + Isoconazol em mulheres grávidas deve ser cuidadosamente avaliada e os benefícios analisados contra os riscos.

Não se sabe se o nitrato de isoconazol ou o valerato de diflucortolona são excretados no leite humano. Um risco para a criança que está sendo amamentada não pode ser excluído.

Mulheres que estejam amamentando não devem utilizar o produto nos seios. O tratamento de áreas extensas, o uso prolongado ou uso de curativos oclusivos devem ser evitados durante a lactação.

A indicação clínica para o tratamento com Diflucortolona + Isoconazol em mulheres lactantes deve ser cuidadosamente avaliada e os benefícios analisados contra os riscos.

Categoria C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Dados pré-clínicos não indicaram nenhum risco na fertilidade.

Nenhum efeito na habilidade em dirigir e utilizar máquinas foi observado em pacientes tratados com Diflucortolona + Isoconazol.

Não é recomendado o uso de Diflucortolona + Isoconazol em crianças abaixo de 5 anos de idade.

Não há recomendações específicas quanto ao uso de Diflucortolona + Isoconazol em pacientes idosos.

Diflucortolona + Isoconazol: Ação da substância no organismo

Resultados de eficácia

Nos resultados dos estudos clínicos realizados com Diflucortolona + Isoconazol creme, dentro do grupo de tratamento de Diflucortolona + Isoconazol aplicado duas vezes ao dia comparado com Baycuten creme também aplicado duas vezes ao dia, nenhuma diferença significativa foi demonstrada com relação ao desaparecimento das lesões eczematosas. Depois de um tratamento por um período máximo de duas semanas com 92 pacientes tratados, nas comparações contralaterais intra-individuais, o desaparecimento completo das lesões foi observado em 42,4% dos pacientes tratados com Diflucortolona + Isoconazol creme e em 44,6% dos pacientes tratados com Baycuten creme. Uma melhora distinta pode ser observada em 45,7% dos pacientes tratados com Diflucortolona + Isoconazol creme e em 43,5% dos pacientes tratados com Baycuten creme. Portanto, a razão de resposta foi de 88,1% para cada.

Com relação ao estudo comparativo de Diflucortolona + Isoconazol creme e Diprogenta creme aplicados 2 vezes ao dia, nenhuma diferença significativa foi demonstrada em relação ao desaparecimento das lesões eczematosas. Depois de duas semanas de tratamento de 96 pacientes, sendo 48 pacientes de cada grupo, o completo desaparecimento das lesões foi observado em 47,9% dos pacientes tratados com Diflucortolona + Isoconazol Creme e em 60,4% dos pacientes tratados com Diprogenta Creme. Uma melhora distinta pode ser observada em 41,7% dos pacientes tratados com Diflucortolona + Isoconazol creme e em 29,2% dos pacientes tratados com Diprogenta creme. Portanto, a razão de resposta foi de 89,6% para cada.

Em ambos os estudos o número de pacientes que demonstrou somente um efeito moderado em diferentes tempos de tratamento com Diflucortolona + Isoconazol Creme, foi baixo, entre 6,3% e 10,9% e muito baixo, entre 1,1 e 4,2%, nos pacientes que não apresentaram nenhum efeito terapêutico.

Características Farmacológicas

O nitrato de isoconazol é utilizado no tratamento de doenças fúngicas superficiais da pele. Apresenta um amplo espectro de ação antimicótica, sendo efetivo contra dermatófitos e leveduras, fungos leveduriformes (incluindo o microrganismo causador da pitiríase versicolor ) e bolores, assim como o microrganismo causador do eritrasma.

O valerato de diflucortolona suprime a inflamação em condições inflamatórias e alérgicas da pele, aliviando os sintomas subjetivos como prurido, ardor e dor.

O tempo estimado para o início da ação dos fármacos presentes na formulação de Diflucortolona + Isoconazol creme, o nitrato de isoconazol e o valerato de diflucortolona, é de 1 e 8 horas, respectivamente, após a aplicação.

O isoconazol presente na formulação de Diflucortolona + Isoconazol penetra rapidamente na pele humana e alcança concentrações máximas do fármaco, na camada córnea e na pele viva, já 1 hora após sua aplicação.

Altas concentrações foram mantidas por, no mínimo 7 horas (camada córnea: aprox. 3500 µg/mL, que corresponde a 7 mmol/L; epiderme viva: aprox. 20 µg/mL, que corresponde a 40 µmol/L; derme: aprox. 3 µg/mL, que corresponde a 6 µmol/L).

A remoção da camada córnea, antes da aplicação, aumentou as concentrações de isoconazol na pele viva aproximadamente 2 vezes. Concentrações do fármaco na camada córnea e na epiderme excederam as concentrações inibitória mínima e antimicótica biocida (MIC) dos patógenos mais importantes (dermatófitos, bolores e leveduras) várias vezes e chegou a valores de MIC na derme.

Em outro estudo, o nitrato de isoconazol ainda podia ser detectado acima do MIC no estrato córneo e nos folículos pilosos uma semana após o término de um período de aplicação de duas semanas. Em alguns indivíduos, o nitrato de isoconazol podia até mesmo ser detectado 14 dias após a última aplicação.

Após aplicação tópica em coelhos, concentrações mais elevadas do antimicótico foram encontradas na pele quando comparados às preparações sem corticosteroides. Isto foi interpretado como um atraso da absorção percutânea do nitrato de isoconazol devido ao efeito vasoconstrictor do corticosteroide.

Além disso, a razão da concentração entre o antimicótico e o corticosteroide na pele é aumentada quando comparada à razão de concentração de 10:1 presente em Diflucortolona + Isoconazol, indicando que a eficácia antimicótica não é prejudicada pelo corticosteroide.

O isoconazol não é metabolicamente inativado na pele e a dose sistêmica, devida à absorção percutânea, é baixa. Mesmo após remoção da camada córnea, menos de 1% da dose aplicada atinge a circulação sistêmica dentro de 4 horas da exposição.

A quantidade absorvida pela via percutânea foi muito baixa para investigar a eliminação do nitrato de isoconazol dentro do organismo humano. Portanto 0,5 mg de nitrato de isoconazol com marcador H3 foi administrado por via intravenosa, e demonstrou-se que o isoconazol é completamente metabolizado e rapidamente eliminado.

O ácido 2,4-dicloromandélico e o ácido 2-(2,6-diclorobenziloxi)-2-(2,4-diclorofenil)-acético foram caracterizados como os metabólitos mais importantes quantitativamente, sendo que 1/3 dos metabólitos identificados foram excretados na urina e 2/3 na bile, sendo 75% da dose total já excretada dentro de 24 horas.

O isoconazol não influencia a penetração e a absorção percutânea do valerato de diflucortolona, que penetra rapidamente na pele atingindo níveis na camada córnea de aproximadamente 150 µg/mL (= 300 µmol/L), após uma hora de aplicação; sendo estes níveis mantidos por, no mínimo, 7 horas. Os níveis de corticosteroides na camada profunda da epiderme foram em torno de 0,15 µg/mL (= 0,3 µmol/L).

O valerato de diflucortolona na pele é parcialmente hidrolisado à diflucortolona, igualmente eficaz, e a quantidade de corticosteroide absorvida pela via percutânea é baixa. Após 4 horas de exposição, menos de 1% da dose aplicada de Diflucortolona + Isoconazol por via tópica foi absorvida pela via percutânea.

Após penetrar na circulação sistêmica, o valerato de diflucortolona é hidrolisado à diflucortolona e ao ácido graxo correspondente em minutos. Além da diflucortolona, o 11-ceto-diflucortolona e outros dois metabólitos foram detectados no plasma. A diflucortolona e todos os seus respectivos metabólitos apresentam uma meia-vida de eliminação plasmática, determinada após administração intravenosa, de 4 a 5 horas e aproximadamente 9 horas, respectivamente, sendo excretados através da urina e fezes numa razão de 75:25.

Em estudos de tolerância sistêmica após repetidas aplicações cutâneas e subcutâneas, o efeito do valerato de diflucortolona foi típico dos glicocorticoides. Após repetidas aplicações cutâneas de uma combinação de substâncias ativas, somente os efeitos típicos dos glicocorticoides foram observados. Assim, como resultado destes estudos, conclui-se que reações adversas diferentes das reações típicas dos glicocorticoides não são esperadas com o uso terapêutico de Diflucortolona + Isoconazol sob condições extremas de uso, tais como, aplicações em áreas extensas e/ou sob oclusão. Não houve indicações de possíveis interações com o nitrato de isoconazol. Os resultados dos estudos de tolerância sistêmica com doses repetidas de nitrato de isoconazol não sugerem que reações sistêmicas ao antimicótico devam ser esperadas durante a terapia com Diflucortolona + Isoconazol.

Estudos de embriotoxicidade com Diflucortolona + Isoconazol levaram aos resultados típicos para os glicocorticoides, tais como, efeitos teratogênicos e/ou embrioletais que são induzidos nos testes sistêmicos apropriados. Levando estes resultados em consideração, atenção especial deve ser tomada quando Diflucortolona + Isoconazol é prescrito durante a gravidez. Os resultados dos estudos epidemiológicos estão resumidos no item “Gravidez”.

Investigações específicas da toxicologia reprodutiva não indicaram influência restritiva das várias fases reprodutivas devido ao nitrato de isoconazol. Particularmente, a substância ativa não demonstrou potencial teratogênico e, embora estudos clínicos controlados não tenham sido realizados, experiências com o uso de preparações contendo nitrato de isoconazol durante a gravidez não indicam risco de efeitos embriotóxicos.

Investigações in vivo e in vitro para detecção de mutações de gene, cromossomo e genoma não demonstraram qualquer indicação de potencial mutagênico do valerato de diflucortolona ou nitrato de isoconazol.

Estudos tumorigênicos específicos não foram realizados com o valerato de diflucortolona e nem com o nitrato de isoconazol. Assim, com base na ação farmacodinâmica padrão, na falta de evidências de um potencial genotóxico, nas propriedades estruturais e nos resultados dos testes de toxicidade crônica (que não indicam alterações proliferativas), não há suspeita de que as substâncias ativas presentes em Diflucortolona + Isoconazol apresentem potencial tumorigênico. Além disso, as doses consideradas sistemicamente efetivas não são atingidas após aplicação cutânea de Diflucortolona + Isoconazol conforme recomendado, o que demonstra que nenhuma influência na ocorrência de tumores deve ser esperada.

De acordo com os resultados de estudos de tolerância local, após administração dérmica repetida de valerato de diflucortolona isolado e em combinação com o nitrato de isoconazol, outras alterações cutâneas não são esperadas além das reações adversas já conhecidas para as preparações tópicas contendo glicocorticoides durante a terapia com Diflucortolona + Isoconazol.

Os resultados das investigações de tolerância em mucosa realizadas em olhos de coelhos demonstram que uma leve irritação na conjuntiva deve ser esperada após contaminação inadvertida dos olhos com Diflucortolona + Isoconazol.

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.