Decanoato de NandrolonaBula do Princípio Ativo

Decanoato de Nandrolona - Para que serve?

Observação: o tratamento com Decanoato de Nandrolona não substitui outras medidas terapêuticas.

Decanoato de Nandrolona: Contraindicação de uso

Não se dispõe de dados adequados sobre o uso de Decanoato de Nandrolona em gestantes. Considerando o risco de masculinização do feto, Decanoato de Nandrolona não deve ser utilizado durante a gestação. O tratamento com Decanoato de Nandrolona deve ser descontinuado quando ocorre gestação.

Este medicamento é contraindicado para uso durante a lactação.

Não há dados adequados sobre o uso de Decanoato de Nandrolona durante a lactação. Portanto, o produto não deve ser utilizado durante a lactação.

Este medicamento é contraindicado para menores de 3 anos de idade.

Decanoato de Nandrolona: Posologia e como usar

Decanoato de Nandrolona deve ser administrado por injeção intramuscular profunda.

50 mg a cada 3 semanas.

25-50 mg a cada 2 semanas.

Obs.: Para obter o efeito terapêutico ideal é necessário administrar doses adequadas de vitaminas , minerais e proteínas em uma rica dieta calórica.

100-200 mg uma vez por semana

50-150 mg uma vez por semana

200 mg uma vez por semana, iniciando 2 semanas antes do ciclo de tratamento citotóxico. Esse tratamento deve ser continuado durante todo o tratamento citotóxico e em seguida, durante o período de recuperação até que a contagem hematológica tenha retornado aos valores normais.

Após a melhora satisfatória ou normalização do quadro eritrocitário, o tratamento deve ser descontinuado gradativamente com base na monitoração periódica dos parâmetros hematológicos. Se ocorrer recidiva a qualquer momento enquanto a dose estiver sendo diminuída ou depois da interrupção do tratamento, deve-se considerar a sua reinstituição.

O início do efeito terapêutico pode variar amplamente entre os pacientes. Se não ocorrer resposta satisfatória após 3-6 meses de tratamento, a administração deve ser descontinuada.

Não se dispõe de dados suficientes sobre o uso de Decanoato de Nandrolona em crianças e adolescentes. Devem se tomadas precauções no tratamento de crianças pré-púberes.

Decanoato de Nandrolona - Reações Adversas

Caso ocorram reações adversas associadas aos esteroides anabólicos, o tratamento com Decanoato de Nandrolona deverá ser descontinuado e retomado com doses menores após solucionadas as queixas.

Devido a natureza de Decanoato de Nandrolona, os efeitos indesejáveis não podem ser anulados rapidamente após a descontinuação da medicação. Injetáveis em geral, podem causar reações locais no local da administração.

Dependendo da dose, frequência e período total da administração de Decanoato de Nandrolona podem ocorrer as seguintes reações adversas:

Os termos usados para descrição dos eventos adversos acima também pretendem incluir seus sinônimos e termos relacionados.

Esteroides androgênicos anabólicos (EAA) muitas vezes em combinação com a testosterona tem sido objeto de abuso em doses superiores à recomendada para a indicação aprovada.

1 Foi relatado com Decanoato de Nandrolona.
2 Com desfechos fatais em alguns casos.

Os seguintes eventos adversos foram reportados em crianças pré-púberes com uso de androgênios: desenvolvimento sexual precoce, frequência aumentada de ereções, aumento fálico e fechamento prematuro das epífises.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Decanoato de Nandrolona: Superdose

A toxicidade aguda do decanoato de nandrolona em animais é muito baixa. Não há relatos de superdose aguda com Decanoato de Nandrolona em humanos.

Superdose crônica para aumentar a capacidade esportiva leva a graves riscos à saúde do indivíduo que comete abuso.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Decanoato de Nandrolona: Interações medicamentosas

Agentes indutores de enzimas podem diminuir os níveis de nandrolona, enquanto medicamentos inibidores de enzima podem aumentar os níveis de nandrolona. Assim, o ajuste de dose de Decanoato de Nandrolona pode ser necessário.

Em pacientes diabéticos, os esteroides anabólicos podem melhorar a tolerância à glicose e diminuir a necessidade de insulina ou outros antidiabéticos.

Pacientes com diabetes mellitus devem ser monitorados especialmente no início ou final do tratamento e em intervalos periódicos durante o tratamento com Decanoato de Nandrolona.

Doses elevadas de Decanoato de Nandrolona podem aumentar a ação anticoagulante de agentes tipo cumarina. Assim, é necessário monitoramento cuidadoso do tempo de pró-trombina e, caso necessário, redução da dose de anticoagulante durante a terapia.

A administração concomitante de esteroides anabólicos com ACTH ou corticosteroides pode aumentar a formação de edema; portanto essas substâncias ativas devem ser administradas com cuidado, particularmente em pacientes com doença hepática ou cardíaca ou em pacientes pré-disponíveis ao edema.

Esteroides anabólicos podem diminuir os níveis de globulina ligante de tiroxina resultando em diminuição de níveis séricos de T4 e aumento da recaptação de resina T3 e T4. O hormônio tireoide livre permanece inalterado, no entanto não há evidência clínica da disfunção da tireoide.

A combinação de Decanoato de Nandrolona (50-100 mg por semana) com eritropoietina recombinante humana (rhEPO), especialmente em mulheres, pode permitir a redução da dose de eritropoietina para reduzir a anemia.

Decanoato de Nandrolona: Precauções

Caso haja ocorrência de reações adversas associadas ao uso de esteroides anabólicos, o tratamento com Decanoato de Nandrolona deverá ser descontinuado e, reinstituído com doses mais baixas após resolução das queixas.

Os pacientes devem ser informados sobre a potencial ocorrência de sinais de virilização. Cantores e mulheres que trabalham com a fala devem ser informados sobre o risco de engrossamento da voz. Caso haja virilização, deverão ser avaliados os riscos e benefícios novamente consultando-se o paciente.

Os pacientes que participam de competições regidas pela Agência Mundial Anti Doping (WADA) deverão consultar o código WADA antes de usar este produto, uma vez que Decanoato de Nandrolona pode interferir no teste anti-doping. O uso indevido de esteroides anabolizantes para aumentar a capacidade nos esportes traz sérios riscos à saúde e deve ser desencorajado.

Este medicamento pode causar doping .

Esteroides androgênicos anabólicos tem sido objeto de abuso, tipicamente em doses superiores à recomendada para a(s) indicação(ões) aprovada(s) e em combinação com a testosterona. O abuso de esteroides androgênicos anabólicos incluindo a testosterona pode levar a reações adversas graves incluindo: eventos cardiovasculares (com desfecho fatal em alguns casos), hepáticos e/ou psiquiátricos. O abuso de esteroides androgênicos anabólicos pode resultar em sintomas de dependência e abstinência após redução significativa da dose ou interrupção abrupta do uso. O abuso de esteroides androgênicos anabólicos incluindo a testosterona acarretam sérios riscos à saúde e deve ser desencorajado.

Em crianças pré-púberes, o crescimento estatural e desenvolvimento sexual devem ser monitorados uma vez que os esteroides anabólicos em altas doses podem acelerar o fechamento das epífises e a maturação sexual.

Decanoato de Nandrolona contém óleo de amendoim e não deve ser administrado a pacientes alérgicos ao amendoim. Devido a uma possível relação entre a alergia ao amendoim e à soja, deve-se evitar a administração de Decanoato de Nandrolona em pacientes alérgicos à soja.

Decanoato de Nandrolona contém 100 mg de álcool benzílico por mL de solução e não deve ser administrado a bebês prematuros ou neonatos. O álcool benzílico pode ser tóxico e causar reações anafiláticas em bebês e crianças abaixo de 3 anos de idade.

Em homens, o tratamento com Decanoato de Nandrolona pode levar a desordens de fertilidade por repressão da formação de esperma.

Em mulheres, o tratamento com Decanoato de Nandrolona pode levar a ciclos menstruais reprimidos ou infrequentes.

O conhecimento atual é de que o uso de Decanoato de Nandrolona não influencia a habilidade de dirigir e operar máquinas.

Decanoato de Nandrolona: Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

No que diz respeito ao catabolismo de proteínas, o tratamento de Decanoato de Nandrolona induz um aumento favorável na massa magra do corpo, no peso corpóreo e outros parâmetros da composição do corpo em homens e mulheres que apresentam uma diminuição do peso corpóreo que não pode ser revertido somente por medidas dietéticas. O aumento na massa magra do corpo é frequentemente acompanhado por melhorias da energia e da fadiga , função física e qualidade de vida.

Estes efeitos de Decanoato de Nandrolona são observados independentemente das circunstâncias subjacentes que causam o balanço negativo do nitrogênio (por exemplo a depleção por HIV, doença pulmonar obstrutiva crônica, tratamento citostático ou por glicocorticoide e infecção crônica).

Os estudos clínicos demonstram que o tratamento com Decanoato de Nandrolona causa a inibição significante da reabsorção e um aumento na formação do osso, resultando em um aumento da quantidade de mineral no osso e, consequentemente, uma redução na taxa de fraturas de acordo com alguns estudos. Na maioria dos estudos clínicos, as avaliações da massa óssea demonstraram uma diferença significativa em favor de Decanoato de Nandrolona em mulheres e homens independentemente da causa da osteoporose, como a menopausa , o envelhecimento ou o tratamento com glicocorticoide. Igualmente na osteoporose estabelecida, Decanoato de Nandrolona aumentou a densidade mineral óssea sem efeitos secundários significativos. A diferença persistiu durante o ano após o término do tratamento.

O tratamento da anemia depois de uma diálise devido à insuficiência renal crônica com a monoterapia de Decanoato de Nandrolona (100-200 mg/semana) resultou, particularmente em homens idosos, em um aumento favorável nos parâmetros hematológicos. A combinação de baixa dose de Decanoato de Nandrolona (50-100 mg/semana) com eritropoietina recombinante humana (rhEPO), especialmente em jovens do sexo masculino e feminino, pode permitir uma redução da dose de eritropoietina. Decanoato de Nandrolona (50-200 mg/semana) pode ser recomendado como um coadjuvante na anemia aplástica, anemia devido a tratamentos citotóxicos ou doença de Fanconi. Na anemia aplástica grave, Decanoato de Nandrolona pode aumentar o número de respondedores ao tratamento imunossupressor. Baseado nos efeitos positivos de Decanoato de Nandrolona na hematopoiese, considera-se provavelmente que Decanoato de Nandrolona (50-200 mg/1-2 semanas) pode contribuir com a restauração da anemia devido a tratamentos citotóxicos, como é suportado por algumas observações clínicas.

Referências bibliográficas:

1
Batterham MJ, Garsia R. A comparison of megestrol acetate, nandrolone decanoate and dietary counselling for HIV associated weight loss. Int J Androl 2001;24:232-40.
Cattran DC, Fenton SS, Wilson DR, Oreopoulos D, Shimizu A, Richardson RM. A controlled trial of nandrolone decanoate in the treatment of uremic anemia. Kidney Int 1977;12:430-6.
Chlebowski RT, Herrold J, Ali I, Oktay E, Chlebowski JS, Ponce AT, Heber D, Block JB. Influence of nandrolone decanoate on weight loss in advanced non-small cell lung cancer. Cancer 1986;58:183-6.
Crawford BAL, Liu PY, Kean MT, Bleasel JF, Handelsman DJ. Randomized placebo controlled trial of androgen effects on muscle and bone in men requiring long-term systemic glucocorticoid treatment. J Clin Endocrinol Metabol 2003;88:3167-76.
Creutzberg EC, Wouters EF, Mostert R, Pluymers RJ, Schols AM. A role for anabolic steroids in the rehabilitation of patients with COPD? A double-blind, placebo-controlled, randomized trial. Chest 2003;124(5):1733-42.
Gold J, Batterham MJ, Rekers H, Harms MK et al. Effects of nandrolone decanoate compared with placebo or testosterone on HIV associated wasting. HIV medicine 2006;7:146-155.; Study E-1696, (paper on the initial 12 weeks: (On maintenance phase of the study 8-24 months; paper in preparation).
Hendler RW, Drachev LA, Bose S, Joshi MK. Controlled study of androgen therapy in anemia of patients of maintenance hemodialysis. N Engl J Med 1974;291:1046-51.
Johansen KL, Mulligan K, Schambelan M. Anabolic effects of nandrolone decanoate in patients receiving dialysis: a randomized controlled trial. JAMA. 1999 Apr 14;281(14):1275-81.
Johansen KL, Painter PL, Sakkas GK, Gordon P, Doyle J, Shubert T. Effects of resistance exercise training and nandrolone decanoate on body composition and muscle function among patients who receive hemodialysis: A randomized, controlled trial. J Am Soc Nephrol 2006;17(8):2307-2314.
Mirahmadi MK, Vaziri ND. Long-term nandrolone and testosterone administration in hemodialysis patients (A comparison of the hematopoietic, anabolic, and endocrine effects). Drug Intel Clin Pharm 1980;14:493-7.
Mulligan K, Zackin R, Clark RA, Alston-Smith B, Liu T, Sattler FR, Delvers TB, Currier JS. Effect of nandrolone decanoate therapy on weight and lean body mass in HIV infected women with weight loss: a randomized, doubleblind, placebo-controlled, multicenter trial. Arch Intern Med 2005;165:578-85.
Navarro JF, Mora C, Macia M, Garcia J. Randomized prospective comparison between erythropoietin and androgens in CAPD patients. Kidney Int 2002;61; 1537-1544.
Phadtare JM, Ghorpade SV, Sovani VB, Gaikwad SN, Meshram P, Ray SK. Role of Nandrolone Decanoate in the Management of Pulmonary Tuberculosis: An Open – label Randomized, Comparative Clinical Study. Indian Pract 2006;59:1-10.
Schols AM, Soeters PB, Mostert R, Pluymers RJ, Wouters EF. Physiologic effects of nutritional support and anabolic steroids in patients with chronic obstructive pulmonary disease. A placebocontrolled randomized trial. Am J Respir Crit Care Med 1995;152:1268-74.
Spiers AS, DeVita SF, Allar MJ, Richards S, Sedransk N. Beneficial effects of an anabolic steroid during cytotoxic chemotherapy for metastatic cancer. J Med 1981;12(6):433-45.
Storer TW, Woodhouse LJ, Sattler F, Singh AB, Schroeder ET, Beck K, Padero M, Mac P, Yarasheski KE, Geurts P, Willemsen A, Harms MK, Bhasin S. A randomized, placebo-controlled trial of nandrolone decanoate in human immunodeficiency virus infected men with mild to moderate weight loss with recombinant human growth hormone as active reference treatment. J Clin Endocrinol Metab. 2005 Aug;90(8):4474-82 Paper on Study E-1703.
Strawford A, Barbieri T, Neese R et al. Effects of ND therapy in borderline hypogonadal men with HIV-associated weight loss. J AIDS 1999;20:137-46.
Study E-1560,R&D RR NL0053270 (abstract: Duncombe E1560, 2005 Abstract Glasgow, manuscript in preparation.
Teruel JL, Marcen R et al. Androgen (ND) versus erythropoietin for the treatment of anemia in hemodialysed patients. J Am Soc Nephrol 1996;7:140-4.

2
Flicker L, Hopper JL, Larkins RG, Lichtenstein M, Buirski G, Wark JD. Nandrolone decanoate and intranasal calcitonin as therapy in established osteoporosis. Osteoporosis Int 1997;7:29-35.
Frisoli A, Szeinfeld VL, Chaves PHM. The effect of nandrolone decanoate on bone mineral density, muscle mass, haemoglobin levels in elderly women with osteoporosis: a double blind, randomized, placebo-controlled clinical trial. J Gerontol 2005;60:648-653.
Gennari C, Agnusdei D, Gonnelli S, Nardi P. Effects of nandrolone decanoate therapy on bone mass and calcium metabolism in women with established post-menopausal osteoporosis; a double blind, placebo controlled study. Maturitas 1989; 11: 187-197.
Geusens P, Dequeker J. Long-term effect of nandrolone decanoate, 1 alpha-hydroxyvitamin D3 or intermittent calcium infusion therapy on bone mineral content, bone remodeling and fracture rate in symptomatic osteoporosis: a double-blind controlled study. Bone Min 1986;1:347-357.
Geusens P, Dequeker J, Verstraeten A, Nijs J, Van Holsbeeck M. Bone mineral content, cortical thickness and fracture rate in osteoporotic woman after withdrawal of treatment of nandrolone decanoate, 1 alpha-hydroxyvitamin D3 or intermittent calcium infusion. Maturitas 1986;8:281-289.
Hassager C, Riis B.J., Pødenphant J, Christiansen C. Nandrolone decanoate treatment of post-menopausal osteoporosis for 2 years and effects of withdrawal. Maturitas 1989, 11:305-317.
Hassager C, Jensen LT, Johansen JS, Riis BJ, Melkko J, Pødenphant J, Ristelli L, Christiansen C and Ristelli J. The carboxyterminal propeptide of type I procollagen in serum as a marker of bone formation: the effect of nandrolone decanoate and female sex hormones. Metabolism 1991;2:205-208.
Hassager C, Jensen LT, Pødenphant J, Thomsen K, Christiansen C. The carboxy-terminal pyridenoline cross-linked telopeptide of type I collagen in serum as a marker of bone resorption: the effect of nandrolone decanoate and hormone replacement therapy. Calcif Tissue Int 1994;54:30-3.
Hedstroem M, Sjoeberg K, Brosjoe E, Aastroem K, Sjoeberg H, Dalen N. Positive effects of anabolic steroids, vitamin D and calcium on muscle mass, bone mineral density and clinical function after a hip fracture. J Bone Joint Surg Br 2002;84:497-503.
Johansen JS, Hassager C, Podenphant J, Riis BJ, Hartwell D, Thomsen K, Christiansen C. Treatment of postmenopausal osteoporosis: is the anabolic steroid nandrolone decanoate a candidate?. Bone Min 1989:6:77-86.
Johnell O. A double-blind, randomized comparative study of the therapeutic effects of Deca-Durabolin combined with a calcium intake of 500 mg daily versus a treatment with calcium (500 mg daily) in postmenopausal women with osteoporosis, as evidenced by a fracture of the hip or fracture of the upper end of the humerus. Unpublished report. 1994.
Published as abstract: Johnell O, Gaerdsell A, Nordqvist A, Ringsberg K, Sernbo I. Nandrolone decanoate in women with fracture of the hip or the proximal end of the humerus. In: Christiansen,C (ed.). 4th International Symposium on Osteoporosis; abstracts; Hong Kong; 27 March - 2 April, 1993. Hong Kong, Gardiner-Caldwell, 1993. p.112, Abstr.No.411.
Lyritis GP, Androulakis C, Magiasis B, Charalambaki Z, Tsakalakos N. Effect of nandrolone decanoate and 1-α- hydroxy-calciferol upon patients with vertebral osteoporotic collapse. A doubleblind clinical trial. Bone 1994;27:209- 217.
Need AG, Nordin BEC, Chatterton BE. Double blind Placebo-Controlled trial of treatment of osteoporosis with the anabolic nandrolone decanoate. Osteoporosis int. 1993 Suppl 1;S218-222.
Passeri M, Pedrazzoni M, Pioli G, Butturini L, Ruys AHC, Cortenraad MGG. Effects of ND on bone mass in established osteoporosis. Maturitas 1993; 17: 211-219.

3
Aggarwal HK, Sehgal R, Singh S, Nand N, Bharti K, Chakrabarti D. Evaluation of efficacy of low dose recombinant human erythropoietin in combination with androgen therapy in anaemia of chronic renal failure. J Indian Acad Clin Med 2005;5:208-215.
Ballal SH, Domoto DT, Ploack DC, Mardciulonis P, Martin KJ. Androgen potentiate the effects of erythropoietin in the treatment of anaemia in end stage renal disease. Am J Kidney Dis 1991;17:29-33.
Branda RF, Amsden TW et al. Randomized study of nandrolone therapy for anemias due to bone marrow failure. Arch Intern Med 1977;137:65-9.
Buchwald D, Argyres S, Easterling RE, Oelshlegel FJ Jr, Brewer GJ, Schoomaker EB, Abbrecht PH, Williams GW, Weller JM.. Effect of nandrolone decanoate on the anemia of chronic hemodialysis patients. Nephron 1977;18:232-8.
Camitta BM, Thomas ED et al. A prospective study of androgens and bone marrow transplantation for treatment of severe aplastic anemia. Blood 1979;53:504-14.
Cattran DC, Fenton SS, Wilson DR, Oreopoulos D, Shimizu A, Richardson RM. A controlled trial of nandrolone decanoate in the treatment of uremic anemia. Kidney Int 1977;12:430-6.
Daiber A, Con I, Moenne S, Donoso A, Osorio G. Short and long-term results of the treatment of aplastic anemias with nandrolone decanoate. Medicina 1974;34:112-118.
Edelstyn GA, MacRae KD, MacDonald FM. Improvement in life quality in cancer patients undergoing chemotherapy. Clin Oncol 1979;5:43-9.
Faiz A, Das KK, Khondakher AK, Ahmed T, Rahman J, Rashid MA, Alam MA, Tahir MD. Clinical course in 24 unselected patients of aplastic anaemia treated with nandrolone decanoate and prednisolone. J Bangladesh Coll Phys Surg 1991;9:16-19.
Gaughan WJ, Liss KA, Dunn SR, Mangold AM, Buhsmer JP, Michael B, Burke JF. A 6 month study of low-dose recombinant human erythropoietin alone and in combination with androgens for the treatment of anemia in chronic hemodialysis patients Am J Kidney Dis. 1997 Oct;30(4):495-500.
Gorshein D, Asbell S. Effect of androgens on ferrokinetics in patients with metastatic breast cancer receiving chemotherapy. Proc Am Soc Clin Oncol 1979;20:325.
Hendler RW, Drachev LA, Bose S, Joshi MK. Controlled study of androgen therapy in anemia of patients of maintenance hemodialysis. N Engl J Med 1974;291:1046-51.
Lee MS, Ahn SH, Song JH. Effects of adjuvant androgen on anemia and nutritional parameters in chronic hemodialysis patients using low-dose recombinant human erythropoietin. Korean J Intern Med. 2002;17(3):167-73.
Malhotra KK, Suresh KR, and Bansal RC. Anabolic steroids in severe chronic failure. J. assoc. physicians India 1984; 32, 878-880.
Resegotti L, Dolci C, Bertero L, Genovese A, Podesta F, Testa D. Treatment of aplastic anaemia with methenolone, stanozolol and nandrolone. A report of 130 cases. Panminerva Med 1981;23:243-8.
Sanchez de la Nieta MD, Caparros G, Rivera F. Epoietin-induced pure red cell aplasia successfully treated with androgens. J Nephrol 2006;19:220-1.
Seewald TR, Zeigler ZR, Gardner FH. Successful treatment of severe refractory aplastic anemia with 3-beta etiocholanolone and nandrolone decanoate. Am J Hematol 1989;31:216-218.
Silverberg D, Wexler D, Blum M, Schwarts D, Iaina A. The use of androgens in anaemia resistant to erythropoietin and i.v. iron in patients with heart and renal failure. Nephrol Dial Transplant 2004;19:1021-1022 (Letter).
Solomon LR, Hendler ED. Prospective controlled study of androgen therapy in the anemia of chronic renal disease: effects on iron kinetics. Acta haematologia 1988; 79; 12-19.
Spiers AS, DeVita SF, Allar MJ, Richards S, Sedransk N. Beneficial effects of an anabolic steroid during cytotoxic chemotherapy for metastatic cancer. J Med 1981;12(6):433-45.
Tsiara SN, Chaidos A, Gouva M, Christou L, Panteli K, Kapsali E, Bourantas KL. Successful treatment of refractory anemia with a combination regimen containing recombinant human erythropoietin, low-dose methylprednisolone and nandrolone. J Exp Clin Cancer Res 2004;23:47-52.
Turner R. Deca-Durabolin and cytotoxic drugs. Acta Endocrinol 1985; 110 Suppl 271:70-9. 137 Edelstyn GA, MacRae KD.
Concomitant androgen therapy in the management of advanced breast cancer by cyclical combined chemotherapy. Clin Oncol 1976;2:403-6.
Williams JS, Stein JH, Ferris TF. Nandrolone decanoate therapy for patients receiving hemodialysis. Arch Intern Med 1974;134:289-92.
Young N, Griffith P, Brittain E, Elfenbein G, Gardner F, et al. A multicenter trial of antithymocyte globulin in aplastic anaemia and related diseases. Blood 1988;72:1861-1869.

Características Farmacológicas

Grupo farmacoterapêutico (código ATC): A14A B01.

Decanoato de Nandrolona contém o éster decanoato de nandrolona que proporciona à preparação uma duração de ação de cerca de 3 semanas após a administração. Na circulação, o éster decanoato é hidrolisado em nandrolona. A nandrolona é relacionada quimicamente com o hormônio masculino testosterona. Comparada com a testosterona, ela apresenta um aumento da atividade anabólica e diminuição da atividade androgênica. Isso foi demonstrado em ensaios biológicos em animais e pode ser explicado por seu metabolismo em 5alfa-diidronandrolona, a qual apresenta capacidade de ligação ao receptor androgênio reduzida, diferentemente da 5alfa diidrotestosterona, que apresenta ligação aumentada. A baixa androgenicidade da nandrolona é confirmada no uso clínico. O risco sobre a virilização aumenta com o aumento das doses, da frequência da administração e duração do tratamento. Foi demonstrado que Decanoato de Nandrolona apresenta efeitos favoráveis sobre o metabolismo do cálcio e no aumento da massa óssea na osteoporose. Além disso, Decanoato de Nandrolona apresenta ação poupadora de nitrogênio. Esse efeito sobre o metabolismo proteico foi estabelecido por estudos metabólicos e é utilizado terapeuticamente em condições nas quais existe deficiência de proteínas, como em doenças crônicas debilitantes e após grandes cirurgias, queimaduras e traumas graves. Nessas condições, Decanoato de Nandrolona serve como tratamento adjuvante de suporte para tratamentos específicos e medidas dietéticas, incluindo nutrição parenteral .

Em animais, o decanoato de nandrolona apresenta efeito estimulante sobre a eritropoiese, provavelmente por estimulação direta das células-tronco hematopoiéticas na medula óssea e por aumento da liberação de eritropoietina. Ele também proporciona proteção contra a depressão da medula óssea causada por agentes citotóxicos. Em humanos, Decanoato de Nandrolona estimula a eritropoiese, conforme demonstrado por aumentos na quantidade de eritrócitos e nos valores da hemoglobina e hematócrito. Esse efeito é utilizado terapeuticamente no tratamento da anemia causada por uma diminuição na produção de eritropoietina, depressão da medula óssea induzida por quimioterapia ou hipoplasia das células-tronco na medula óssea. Nessa última condição (por exemplo, anemia aplástica) a resposta eritropoiética é frequentemente acompanhada por um efeito positivo sobre a leucopoiese e trombopoiese.

Efeitos androgênicos (por exemplo, masculinização) são relativamente incomuns nas doses recomendadas. A nandrolona não dispõe do grupo C17alfa-alquila, que é associado com a ocorrência de disfunção hepática e colestase.

Após a injeção intramuscular profunda de Decanoato de Nandrolona, um depósito é formado e o decanoato de nandrolona é liberado lentamente a partir do local da injeção para o sangue, com meia-vida de 5-15 dias.

No sangue, o éster é rapidamente hidrolisado em nandrolona com meia-vida de uma hora ou menos. O processo combinado de hidrólise, distribuição e eliminação da nandrolona apresenta meia-vida de aproximadamente 4 horas.

A nandrolona é metabolizada no fígado . Os principais produtos excretados na urina são a 19-norandrosterona e 19-nortiocolanolona.

Não se sabe se esses metabólitos apresentam ação farmacológica.

Estudos toxicológicos em animais após administração repetida, não indicaram risco à segurança em humanos. Não foram conduzidos estudos para avaliar a toxicidade na reprodução, genotoxicidade e carcinogenicidade. Como uma classe, os esteroides anabolizantes são considerados provavelmente cancerígenos para humanos (IARC Grupo 2a). Foi demonstrado que o uso de androgênios em diferentes espécies resulta em masculinização dos genitais externos de fetos femininos. Algumas publicações relataram genotoxicidade da nandrolona em estudos in vitro de micronúcleos e ensaios de micronúcleo em camundongos mas não ratos, e em ensaios comet de camundongos e ratos. A relevância destes achados para uso em pacientes é desconhecida.

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.