Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido)Bula do Princípio Ativo

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) - Para que serve?

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é indicado para o controle de náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia e radioterapia. Também é indicado para prevenção de náuseas e vômitos do período pós-operatório.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é indicado para o controle de náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia.

Nenhum estudo foi conduzido para o uso de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) comprimidos revestidos na prevenção ou tratamento de náuseas e vômitos do período pós-operatório.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido): Contraindicação de uso

Este medicamento é contraindicado a pacientes com hipersensibilidade conhecida a qualquer componente da fórmula.

Tendo como base os relatos de hipotensão profunda e perda de consciência quando Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) foi administrado com cloridrato de apomorfina, o uso concomitante dessas substâncias é contraindicado.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido): Posologia e como usar

Uso exclusivamente oral.

Não há recomendação de dose para crianças com área corporal menor que 0,6 m², peso corporal menor ou igual a 10 kg ou que não possuam a habilidade de deglutir o comprimido.

Os comprimidos de cloridrato de ondansetrona devem ser ingeridos de preferência com um copo de água.

Posologia do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido)

O potencial emetogênico do tratamento de câncer varia de acordo com as doses e combinações dos regimes de quimioterapia e radioterapia usados. A escolha da dose de cloridrato de ondansetrona deve basear-se na intensidade dos sintomas secundários ao tratamento.

A dose oral recomendada é de 8 mg, uma a duas horas antes do tratamento quimioterápico ou radioterápico, seguida de 8 mg a cada 12 horas por um máximo de 5 dias.

Para quimioterapia altamente emetogênica, pode ser administrada uma dose oral única de até 24 mg de cloridrato de ondansetrona juntamente com 12 mg de fosfato sódico de dexametasona oral, 1 a 2 horas antes da quimioterapia.

Após as primeiras 24 horas, o tratamento com cloridrato de ondansetrona pode ser continuado por até 5 dias depois de um curso de tratamento. A dose oral recomendada é de 8 mg a ser administrada duas vezes ao dia.

A dose em casos de náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia pode ser calculada baseada na área de superfície corporal ou peso. Em estudos clínicos pediátricos, ondansetrona foi administrada através de infusão intravenosa diluída em 25 a 50 mL de solução salina ou outro fluido de infusão compatível e infundida por um período superior a 15 minutos.

O cloridrato de ondansetrona deve ser administrado imediatamente antes da quimioterapia em uma dose única por via intravenosa na dose de 5 mg/m 2 . A dose intravenosa não deve exceder 8 mg. A dose oral pode começar doze horas depois e pode continuar por até 5 dias (tabela 1). Não deve ser excedida a dose de adultos.

Tabela 1: Dosagem baseada em área de superfície corporal para náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia (idade entre 2 a 17 anos)

Área de superfície corporal

Dias 2 a 6

≥ 0,6 m 2 a ≤ 1,2 m 2

4 mg por via oral a cada 12 horas

> 1,2 m 2

8 mg por via oral a cada 12 horas

O cloridrato de ondansetrona deve ser administrado imediatamente antes da quimioterapia em uma dose única intravenosa de 0,15 mg/kg. A dose intravenosa não deve exceder 8 mg. No dia 1, duas doses adicionais por via intravenosa podem ser dadas com intervalos de 4 horas. A administração por via oral pode começar doze horas mais tarde e pode continuar por até 5 dias (tabela 2). Não deve ser excedida a dose de adultos.

Tabela 2: Posologia baseada em peso corporal para náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia (idade entre 2 a 17 anos)

Peso corporal

Dias 2 a 6

> 10 kg

4 mg por via oral a cada 12 horas

Não é necessário alterar a dose, a frequência e nem a via de administração para pacientes idosos.

Não é necessária nenhuma alteração da via de administração, da dose diária nem da frequência de dose.

O clearance de ondansetrona é significativamente reduzido e a meia-vida plasmática significativamente prolongada em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave. Para esses pacientes, a dose total diária não deve exceder 8 mg.

A meia-vida de eliminação da ondansetrona não é alterada em indivíduos que têm deficiência do metabolismo de esparteína e debrisoquina.

Consequentemente, em tais pacientes, doses repetidas não provocarão níveis diferentes de exposição ao fármaco dos que ocorrem na população em geral. Não é necessário alterar a dosagem diária nem a frequência de dose.

Para prevenção de náuseas e vômitos pós-operatórios, recomenda-se dose oral de cloridrato de ondansetrona de 16 mg, uma hora antes da anestesia. Para tratamento de náuseas e vômitos pós-operatórios já estabelecidos, recomenda-se a administração de cloridrato de ondansetrona injetável.

Nenhum estudo foi conduzido sobre administração oral de ondansetrona na prevenção ou no tratamento de náuseas e vômitos pós operatórios.

Nesta população, recomenda-se o uso de cloridrato de ondansetrona injetável, administrado em injeção intravenosa lenta (não menos que 30 segundos).

Existem poucas experiências com o uso de ondansetrona na prevenção e no tratamento de náuseas e vômitos pós-operatórios em pessoas idosas.

Entretanto, ondansetrona é bem tolerado por pacientes acima de 65 anos de idade submetidos a quimioterapia.

Não é necessária nenhuma alteração da via de administração, da dose diária nem da frequência de dose.

O clearance de ondansetrona é significativamente reduzido e a meia-vida plasmática significativamente prolongada em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave. Para esses pacientes, a dose total diária não deve exceder 8 mg.

A meia-vida de eliminação da ondansetrona não é alterada em indivíduos que têm deficiência do metabolismo de esparteína e debrisoquina. Consequentemente, em tais pacientes, doses repetidas não provocarão níveis diferentes de exposição ao fármaco dos que ocorrem na população em geral. Não é necessário alterar a dosagem diária nem a frequência de dose.

Caso o paciente se esqueça de tomar o medicamento e sinta náusea ou ânsia de vômito, deve tomar uma dose o mais rapidamente possível e manter as demais doses no horário previsto.

Caso o paciente se esqueça de tomar o medicamento, mas não sinta náusea nem ânsia de vômito, deve tomar a próxima dose no horário previsto.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) - Reações Adversas

Os eventos muito comuns, comuns e incomuns são determinados geralmente a partir de dados de estudos clínicos. A incidência no grupo placebo foi levada em consideração. Os eventos raros e muito raros são determinados a partir de dados espontâneos pós-comercialização.

As frequências seguintes são estimadas na dose padrão recomendada para Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) de acordo com indicação e formulação.

A maior parte dos casos de cegueira relatados foi resolvida em até 20 minutos. A maioria dos pacientes recebeu agentes quimioterápicos, inclusive cisplatina. Alguns casos de cegueira passageira foram relatados como de origem cortical.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido): Superdose

A experiência com casos de superdose do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é limitada. Na maioria deles, os sintomas são muito similares aos relatados acerca dos pacientes que recebem doses recomendadas. O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) prolonga o intervalo QT de maneira dose dependente.

O monitoramento por ECG é recomendado em casos de superdosagem.

Têm sido relatados casos de síndrome serotoninérgica em crianças pequenas após superdosagem por via oral.

Não existe antídoto específico contra o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido). Dessa forma, em casos de superdose, recomenda-se conduzir terapias sintomáticas e de suporte apropriadas. O uso de ipecacuanha não é recomendado, uma vez que é pouco provável que se obtenha resposta satisfatória em razão da própria ação antiemética de cloridrato de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido).

Tratamentos adicionais devem ser clinicamente indicados ou recomendados por centros de toxicologia, quando houver.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido): Interações medicamentosas

Estudos específicos demonstraram que não existem interações farmacocinéticas quando o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é administrada com álcool, temazepam, furosemida , tramadol ou propofol .

O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é metabolizada por múltiplas enzimas hepáticas do citocromo P450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas capazes de metabolizar o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido), a inibição enzimática ou a redução da atividade de uma dessas enzimas (por exemplo, a deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e resulta em pouca ou nenhuma mudança no clearance do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido), não tornando necessário o ajuste de dose.

Deve-se ter cautela quando Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é co-administrada com fármacos que prolongam o intervalo QT e/ou causam distúrbios eletrolíticos.

Tendo como base os relatos de hipotensão profunda e perda de consciência quando o cloridrato de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) foi administrado com cloridrato de apomorfina, o uso concomitante dessas substâncias é contraindicado.

Em pacientes tratados com indutores potentes da CYP3A4, como fenitoína, carbamazepina e rifampicina, o clearance oral do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) foi aumentado e as concentrações plasmáticas reduzidas.

Síndrome serotoninérgica (incluindo estado mental alterado, instabilidade autonômica e anormalidades neuromusculares) tem sido descrita após o uso concomitante de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) e outros fármacos serotoninérgicos, incluindo inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs) e inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina (IRSN).

Dados de estudos pequenos indicam que o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) pode reduzir o efeito analgésico do tramadol.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido): Precauções

Há relatos de reações de hipersensibilidade em pacientes que já apresentaram esse tipo de reação a outros antagonistas seletivos de receptores 5-HT3.

O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) prolonga o intervalo QT de maneira dose-dependente. Além disso, casos pós-comercialização de Torsades de Pointes têm sido relatados em pacientes usando Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido). Evitar o uso de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) em pacientes com síndrome do QT longo congênito. O cloridrato de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) deve ser administrado com precaução em pacientes que possuem ou podem desenvolver prolongamento do QTc.

Essas condições incluem pacientes com distúrbios eletrolíticos, pacientes com a síndrome do QT longo congênito, ou pacientes que tomam outros medicamentos que levam ao prolongamento QT ou distúrbios eletrolíticos.

Hipocalemia e hipomagnesemia devem ser corrigidas antes da administração de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido).

Síndrome serotoninérgica tem sido descrita após o uso concomitante de cloridrato de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) e outros fármacos serotoninérgicos. Se o tratamento concomitante com cloridrato de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) e outros fármacos serotoninérgicos é clinicamente justificado, é recomendada a observação apropriada do paciente.

Tendo-se em vista que o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) aumenta o tempo de trânsito no intestino grosso, pacientes com sinais de obstrução intestinal subaguda devem ser monitorados após a administração.

Em testes psicomotores, Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) não comprometeu o desempenho do paciente nessas atividades nem causou sedação. Não há como prever efeitos negativos em cada uma dessas atividades pela farmacologia de cloridrato de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido).

A segurança do uso do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) em mulheres grávidas ainda não foi estabelecida. Avaliações de estudos em animais experimentais não indicaram efeito nocivo direto ou indireto no desenvolvimento do embrião ou feto, no curso da gestação e no desenvolvimento perinatal e pósnatal.

Entretanto, uma vez que estudos em animais nem sempre são preditivos da resposta humana, o uso do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) durante a gravidez não é recomendado.

Os testes têm demonstrado que o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é excretada no leite de animais. Por esse motivo, recomenda-se que lactantes sob tratamento com o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) não amamentem.

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Este medicamento contém lactose.

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido): Ação da substância no organismo

Resultados de Eficácia

Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) demonstrou eficácia no controle de náuseas e vômitos em 75% dos pacientes tratados com quimioterapia com cisplatina. 1

1 MARTY M. et al. Comparison of the 5-hydroxytryptamine3 (serotonin) antagonist ondansetron (GR 38032F) with high-dose metoclopramide in the control of cisplatin-induced emesis. N Engl J Med, 32;322(12): 816-21, 1990.

Características Farmacológicas

O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é um potente antagonista, altamente seletivo, dos receptores 5-HT3. Seu mecanismo de ação no controle da náusea e do vômito ainda não é bem conhecido.

Os agentes quimioterápicos e a radioterapia podem causar liberação de 5-HT no intestino delgado, iniciando um reflexo de vômitos pela ativação dos aferentes vagais nos receptores 5-HT3. O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) bloqueia o início desse reflexo.

A ativação dos aferentes vagais pode ainda causar liberação de 5-HT em área extrema localizada no assoalho do quarto ventrículo e isso também pode promover náuseas e vômitos através de um mecanismo central. Desse modo, o efeito do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) no controle de náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia citotóxica e radioterapia se deve ao antagonismo do fármaco aos receptores 5-HT3 dos neurônios do sistema nervoso periférico e do sistema nervoso central .

Não se conhece o mecanismo de ação desse fármaco na náusea e no vômito pós-operatórios; no entanto as vias devem ser comuns às da náusea e do vômito induzidos por agentes citotóxicos.

Na prevenção de náuseas e vômitos pós-operatórios, o início da ação ocorre em menos de 1 hora após administração de uma dose de 16 mg por via oral.

No controle de náuseas e vômitos induzidos por radioterapia e quimioterapia, o início de ação ocorre dentro de 1 até 2 horas após a administração de 8 mg por via oral.

O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) não altera as concentrações de prolactina plasmática.

O efeito do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) no intervalo QTc foi avaliado em um estudo cruzado, duplo-cego, randomizado, controlado por placebo e controle positivo (moxifloxacino), em 58 adultos saudáveis (homens e mulheres). As doses de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) incluíram 8 mg e 32 mg infundidas intravenosamente durante 15 minutos. Na dose mais elevada testada, de 32 mg, a diferença máxima média (limite superior de 90% do IC) no intervalo QTcF em relação ao placebo após a correção na linha de base foi de 19,6 (21,5) mseg. Na dose mais baixa testada, de 8 mg, a diferença máxima média (limite superior de 90% do IC) em relação ao placebo após correção na linha de base foi de 5,8 (7,8) mseg. Neste estudo, não houve medições do intervalo QTcF maiores que 480 mseg e nenhum prolongamento do intervalo QTcF foi maior que 60 mseg.

As propriedades farmacocinéticas do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) permanecem inalteradas em dosagens repetidas.

Após dose oral, o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é absorvida passiva e completamente no trato gastrointestinal e sofre metabolismo de primeira passagem. Feita a administração, os picos de concentração plasmática são atingidos em aproximadamente uma hora e trinta minutos. Para doses acima de 8 mg, o aumento da exposição sistêmica do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é desproporcional a dose. Isso pode ser reflexo de uma ligeira redução do metabolismo de primeira passagem em doses orais elevadas.

A biodisponibilidade, em indivíduos saudáveis do sexo masculino, após a administração de um único comprimido de 8 mg é de proximadamente 55% a 60% em média. A biodisponibilidade torna-se levemente aumentada na presença de alimentos, mas inalterada por antiácidos .

A ligação às proteínas plasmáticas é de cerca de 70% a 76%. Em adultos, a disponibilidade do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) após a dose oral é similar à observada após a administração intravenosa ou intramuscular; o volume de distribuição é de cerca de 140 L no estado de equilíbrio.

O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é depurada da circulação sistêmica predominantemente por metabolismo hepático, através de diversas vias enzimáticas. A ausência da enzima CYP2D6 (polimorfismo da debrisoquina) não interfere na farmacocinética do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido).

O Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) é eliminada da circulação sistêmica predominantemente por metabolismo hepático. Menos de 5% da dose absorvida são excretados inalterados na urina. A disponibilidade do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) após dose oral é similar à observada após a administração intravenosa ou intramuscular; o tempo de meia-vida de eliminação terminal é de aproximadamente três horas.

Foi demonstrado que, após dose oral, indivíduos do sexo feminino apresentam taxa e extensão de absorção maiores, bem como clearance sistêmico e volume de distribuição reduzidos.

Pacientes pediátricos com idade entre 1 e 4 meses de vida (n=19) submetidos à cirurgia apresentaram um clearance aproximadamente 30% menor do que em pacientes entre 5 e 24 meses (n=22), mas comparável a pacientes entre 3 e 12 anos de idade, quando normalizado ao peso corporal. A meia-vida em pacientes entre 1 e 4 meses foi em média 6,7 horas, comparado a 2,9 horas para pacientes entre 5 e 24 meses e 3 e 12 anos. As diferenças nos parâmetros farmacocinéticos na população com idade entre 1 a 4 meses podem ser explicadas em parte pela maior porcentagem de água corporal em neonatos e bebês e pelo maior volume de distribuição de fármacos hidrossolúveis como o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido).

Em pacientes pediátricos com idade entre 3 e 12 anos de idade submetidos a cirurgia eletiva com anestesia geral verificou-se a redução dos valores absolutos do clearance e do volume de distribuição do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) quando comparados com os valores em pacientes adultos.

Ambos os parâmetros aumentaram de forma linear com o peso e, a partir de 12 anos de idade, os valores se aproximaram dos obtidos em adultos jovens.

Quando o clearance e o volume de distribuição foram normalizados de acordo com o peso corporal, os valores desses parâmetros mostraram-se similares nos diversos grupos de idade. O uso de doses ajustadas ao peso corpóreo compensou as alterações relacionadas à idade e é eficaz para normalizar a exposição sistêmica em pacientes pediátricos.

A análise da farmacocinética do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) foi realizada em 428 indivíduos (pacientes com câncer, pacientes submetidos à cirurgia e voluntários saudáveis) com idade entre 1 mês e 44 anos após a administração de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) por via intravenosa. Com base nesta análise, a exposição sistêmica (ASC) de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) após a administração por via oral ou IV em crianças e adolescentes foi comparável a adultos, com exceção em bebês com 1 a 4 meses de vida. O volume de distribuição estava relacionado a idade e foi menor em adultos do que em bebês e crianças. O clearance estava relacionado ao peso e não à idade, exceto em bebês com 1 a 4 meses de vida. É difícil concluir se houve uma redução adicional do clearance relacionada a idade em bebês entre 1 a 4 meses de vida ou se simplesmente houve variabilidade neste grupo devido ao baixo número de indivíduos estudados nesta faixa etária. Considerando que pacientes com menos de 6 meses de idade receberão apenas uma dose única em casos de náuseas e vômitos no pós-operatório, a diminuição do clearance possivelmente não será clinicamente relevante.

Os primeiros estudos de Fase I em voluntários idosos saudáveis mostraram uma ligeira diminuição relacionada com a idade na depuração e um aumento na meia-vida do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido). Entretanto, a grande variabilidade interindividual resultou em uma considerável sobreposição nos parâmetros farmacocinéticos entre jovens (<65 anos de idade) e idosos (≥65 anos de idade) e não foram observadas diferenças na segurança e eficácia notadas entre pacientes com câncer de jovens e idosos matriculados em ensaios clínicos em náuseas e vômitos para embasar uma recomendação de dosagem diferente para os idosos. Com base nas concentrações plasmáticas mais recentes e em modelos de exposição-resposta, um efeito maior sobre QTcF é previsto em pacientes ≥75 anos de idade quando comparado com adultos jovens.

Em pacientes com disfunção renal moderada ( clearance de creatinina de 15 a 60 mL/min), tanto o clearance sistêmico quanto o volume de distribuição foram reduzidos após administração intravenosa de Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido), resultando em um leve e clinicamente insignificante aumento da meia-vida de eliminação (5,4 horas). Em pacientes com disfunção renal grave em regime de hemodiálise (estudados entre as diálises), o Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) demonstrou perfil farmacocinético essencialmente inalterado após administração intravenosa.

Nos pacientes com disfunção hepática grave, o clearance sistêmico do Cloridrato de Ondansetrona (Comprimido Revestido) foi acentuadamente reduzido, com meia-vida de eliminação prolongada (15-32 horas) e uma biodisponibilidade oral de aproximadamente 100% devido à redução do metabolismo pré-sistêmico.

Fonte do conteúdo

Entramos em contato com você

Ganhe tempo com mais praticidade na gerenciamento da agenda, controle financeiro e prontuários eletônicos.